PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Fujimori sofre obstrução arterial e intervenção é avaliada

25/12/2018 21h41

Lima, 25 dez 2018 (AFP) - O ex-presidente peruano Alberto Fujimori, de 80 anos, internado há 83 dias, apresenta novos problemas cardíacos devido a uma obstrução arterial para a qual não se descarta uma intervenção, informou nesta terça-feira (25) seu médico pessoal.

"Ele está nas mãos dos cardiologistas. Tinham que fazer nele exames nas artérias do coração, dentro do que foi aprovado pela equipe médica do Instituto de Medicina Legal", disse o doutor Alejadro Aguinaga, citado pelo jornal Correo, de Lima.

O médico pessoal de Fujimori disse que "não é o melhor dos natais e do fim do ano" para seu paciente, que "está sob terapia intensiva".

Fujimori está hospitalizado na clínica peruana japonesa Centenário desde 3 de outubro, quando sofreu uma descompensação em sua casa, depois que um tribunal anulou um indulto que ordenou seu retorno à prisão.

A Suprema Corte deve decidir nos próximos dias uma apelação de Fujimori, que pediu para revogar a decisão judicial que reverteu seu indulto.

"O problema de saúde se agravou", assegurou o advogado de Fujimori, César Nakazaki, citado nesta terça-feira pelo jornal El Comercio.

Segundo o El Comercio, que cita a defesa de Fujimori, os resultados dos últimos exames indicam, além da fibrilação auricular de que sofre, uma obstrução das artérias superiores do coração.

"Não sei quanto tempo mais terá que permanecer na clínica", acrescentou Nakazaki.

A intervenção, que consistiria em um cateterismo coronariano, foi proposta por uma junta médica do estadual Instituto de Medicina Legal, que avaliou Fujimori a pedido da justiça.

Fujimori, de origem japonesa, passou o Natal pelo segundo ano consecutivo na clínica Centenario. Há um ano foi indultado pelo então presidente Pedro Pablo Kuczynski, quando estava hospitalizado por uma crise hipertensiva.

Um juiz cancelou o indulto de Fujimori em 3 de outubro por irregularidades administrativas e a pedido dos familiares das vítimas de dois massacres que originaram a sentença de Fujimori em 2009.

Fujimori foi condenado a 25 anos de prisão pelos massacres de Barrios Altos (1991) e La Cantuta (1992), onde um esquadrão da morte do Exército peruano assassinou 25 pessoas no âmbito de uma suposta operação antiterrorista. As vítimas eram inocentes.

Segundo parentes das vítimas, Fujimori deve voltar para a prisão para completar a condenação de 25 anos como autor intelectual destas mortes, ocorridas durante sua gestão (1990-2000).

ljc/yow/mvv

Internacional