PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Romênia assume presidência rotativa da UE

27/12/2018 14h38

Bucareste, 27 dez 2018 (AFP) - O governo romeno, muito crítico a Bruxelas, assumirá a presidência rotativa da União Europeia durante o primeiro semestre de 2019, um período de grande agitação.

Apesar de a Romênia ser considerada tradicionalmente um país pró-Europa, as autoridades romenas criticaram, em várias ocasiões, as instituições europeias durante os últimos meses.

A maioria de esquerda que governa a Romênia denunciou uma União "injusta", que impede o país "de ter suas próprias opiniões", segundo declarou o líder do partido social-democrata (PSD), Liviu Dragnea, que não conseguiu ser eleito primeiro-ministro ao ser condenado por fraude eleitoral.

No entanto, Bucareste ocupará, pela primeira vez em sua história, a presidência rotatória da UE, o que lhe dará um papel importante na organização das cúpulas dos 28 Estados membros.

As tensões entre a Comissão Europeia e o governo romeno foram provocadas pela intenção do PSD de reformar o sistema judiciário romeno.

O Executivo romeno asseguro que quer "impedir" os abusos dos magistrados, considerados os integrantes de um "Estado paralelo".

Em contrapartida, Bruxelas pede o abandono dessas medidas, consideradas um obstáculo na luta contra a corrupção, um mal endêmico no país.

Os líderes europeus "tem a sensação que esta reforma servirá para beneficiar a Dragnea", explica o cientista político Andrei Taranu.

Segundo os críticos, esta medida pretende diminuir os antecedentes judiciais de muitos líderes do PSD, como Liviu Dragnea, condenado a uma pena de prisão por fraude eleitoral e envolvido em outros casos.

Segundo Taranu, a retórica populista e nacionalista do governo romeno não passa de uma estratégia oportunista.

- Linha vermelha -O governo romeno não parece disposto a parar suas reformas e pretende aprovar uma anistia que poderia beneficiar os líderes envolvidos em processos judiciais.

A aprovação deste projeto significaria infligir uma linha vermelha, alertam fontes europeias.

Desta forma, a Romênia, "que já tem pouca credibilidade", vai ter que se esforçar para se defender diante de seus parceiros europeus ao invés de resolver os problemas europeus, indica a mesma fonte.

Durante o primeiro semestre de 2019, Bucareste terá de lidar com temas cruciais para a União Europeia (UE), como o Brexit no final de março, a negociação do orçamento comunitário e eleições europeias.

Além disso, as autoridades romenas estão divididas, entre um governo liderado por uma maioria socialdemocrata e um presidente conservador e eurófilo, Klaus Iohannis, que representa o país no Conselho Europeu.

A popularidade do PSD, que conseguiu uma folgada vitória eleitoral em 2016, caiu nos últimos dois anos, e milhares de pessoas protestaram contra o governo, dirigido por Viorica Dancila há quase um ano.

Mas o Executivo socialdemocrata ainda conta com o apoio das zonas rurais e desfavorecidas, onde as ajudais sociais aprovadas durante seu mantado foram muito bem recebidas.

A sociedade romena está muito "popularizada e dividida", assegura o cientista político Radu Alexandru.

A Romênia é um dos três Estados mais pobres da UE, e as desigualdades econômicas internas também são alarmantes.

Enquanto o Produto Interno Bruto (PIB) por habitante da região de Bucareste representa 140% da média da UE, equivale a apenas 40% nas regiões mais pobres do noroeste e o sudoeste do país.

mr/smk/eb/erl/mr/tt

Internacional