PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Presidenciais no Afeganistão adiadas para 20 de julho

30/12/2018 12h37

Cabul, 30 dez 2018 (AFP) - A eleição presidencial no Afeganistão, marcada inicialmente para 20 de abril, foi adiada para 20 de julho, informou neste domingo o chefe da comissão eleitoral independente desse país em conflito.

As eleições provinciais e locais, bem como as eleições legislativas na província de Ghazni, serão realizadas no mesmo dia, disse Abdul Badi Sayyad à imprensa.

A presidência do atual chefe de Estado, Ashraf Ghani - que aspira a um novo mandato em 2019 - foi marcada pelo aumento da violência, um nível recorde de baixas civis e profundas divisões políticas e étnicas entre os afegãos.

O Afeganistão também encerra um ano muito complicado antes da perspectiva da retirada de parte das forças armadas dos Estados Unidos.

No final de dezembro, Donald Trump, decidiu retirar do Afeganistão uma "significativa" quantidade de militares estacionados naquele país.

"A decisão já foi tomada. Teremos uma retirada significativa", declarou no dia 21 uma fonte do governo, que pediu para não ser identificada.

Atualmente, os Estados Unidos têm cerca de 14 mil homens no Afeganistão, na missão da Otan de apoio às forças afegãs e em operações de combate ao terrorismo.

Trump tomou a decisão no mesmo dia que informou ao Pentágono seu desejo de retirar as tropas americanas da Síria.

Em função da situação, o secretário de Defesa, Jim Mattis, abandonou o cargo argumentando que seus pontos de vista não estão alinhados com os do presidente.

Esta mudança de estratégia em relação à Síria e Afeganistão abrem um cenário de incerteza no Oriente Médio e na Ásia Central.

No ano passado, Mattis convenceu Trump a se comprometer com o envio de milhares de homens ao Afeganistão, onde os talibãs estavam massacrando as forças locais e obtendo importantes avanços.

Segundo The Wall Street Journal, mais de 7 mil militares americanos serão retirados do Afeganistão.

A mudança de estratégia ocorre no momento em que os Estados Unidos promovem um acordo de paz com os talibãs.

us-amj/rma/me/age/cn

Internacional