Topo

UE impõe sanções ao Irã após assassinatos na Europa

2019-01-08T23:09:00

08/01/2019 23h09

Haia, 9 Jan 2019 (AFP) - A União Europeia adotou nesta terça-feira sanções contra os serviços de inteligência iranianos e dois de seus dirigentes acusados de envolvimento em uma série de assassinatos de dissidentes na Holanda, Dinamarca e França.

Esta decisão, adotada por unanimidade dos estados membros, ocorre no momento em que Haia acusa o Irã de envolvimento nas mortes de dois holandeses de origem iraniana ocorridas na Holanda em 2015 e 2017, razão pela qual expulsou dois diplomatas iranianos.

As sanções envolvem a "Direção de Segurança Interna" da Inteligência do Irã e dois diretores desta instituição, incluindo seu chefe, Saeid Hashemi Moghadam, precisou o ministério das Relações Exteriores da Dinamarca.

Isto significa que seus ativos na UE foram congelados.

Com base em informação dos serviços de Inteligência de vários países europeus, a UE avalia ser provável que o Irã esteja envolvido em assassinatos e conspirações no território europeu.

O AIVD, os serviços de inteligência holandeses, tem sólidos indícios de que o Irã estava envolvido na morte de dois cidadãos holandeses de origem iraniana em Almere em 2015 e em Haia em 2017.

As duas vítimas, identificadas como Ali Motamed, de 56 anos, e Ahmad Molla Nissi, de 52, eram opositores ao regime iraniano, segundo o executivo em Haia.

A Holanda expulsou dois funcionários da embaixada iraniana em junho, sem revelar as razões.

bur-cvo/dk/me/mb/cn