PUBLICIDADE
Topo

Internacional

China afirma que detenção de australiano foi motivada por segurança nacional

24/01/2019 10h25

Pequim, 24 Jan 2019 (AFP) - A China afirmou nesta quinta-feira que o escritor dissidente Yang Hengjun, naturalizado australiano, foi detido por suspeita de colocar em perigo a "segurança nacional", uma acusação utilizada recentemente em várias oportunidades contra cidadãos estrangeiros.

A detenção aconteceu em um momento de tensão entre Pequim e vários países ocidentais, como Canadá, Estados Unidos e Austrália. Dois canadenses foram detidos em dezembro sob acusações parecidas.

Yang Hengjun, de 53 anos, é um ex-diplomata chinês que se tornou escritor, blogueiro e defende a democratização da China. Ele foi detido pouco depois de uma rara viagem a seu país de origem na semana passada, procedente dos Estados Unidos.

"A agência municipal de Pequim da Segurança de Estado adotou recentemente medidas coercitivas e está investigando o cidadão australiano Yang Hengjun", afirmou Hua Chunying, porta-voz do ministério chinês das Relações Exteriores.

"É suspeito de atividades criminais que colocam em perigo a segurança nacional", completou.

Na China, os termos estão associados a acusações de espionagem.

O ministro australiano da Defesa, Christopher Pyne, que está em Pequim, afirmou que abordaria o caso com o seu colega chinês. Também indicou que Yang Hengjun está em "prisão domiciliar".

A ministra australiana das Relações Exteriores, Marise Payne, disse que diplomatas devem se reunir com as autoridades chinesas durante o dia para "esclarecer" a situação.

"Seguiremos nos comunicando com a China para que o caso seja tratado de maneira justa e transparente", completou.

Yang Hengjun adquiriu a nacionalidade australiana no ano 2000. Ele é autor de vários livros de espionagem e de um blog em mandarim muito acessado. Durante algum tempo foi considerado o blogueiro político chinês "mais influente".

Suas críticas ao governo chinês o transformaram em um alvo para as autoridades. Em 2011 desapareceu por alguns dias durante uma visita a China. Mais tarde afirmou que o "desaparecimento" era na verdade um mal-entendido.

As detenções em dezembro de dois canadenses - o ex-diplomata Michael Kovrig e o consultor Michael Spavor - foram consideradas pelo Ocidente represálias de Pequim após a detenção no Canadá de Meng Wanzhou, executiva do grupo chinês de telecomunicações Huawei.

"Tudo isto só reforça a ideia de que visitar a China não é seguro e que os serviços de segurança vão atacar cada vez mais as pessoas pelo que falam da China no exterior", alerta o sinólogo Bill Bishop.

A relação entre Pequim e Canberra é problemática há vários meses.

A Austrália anunciou em agosto que a Huawei seria excluída da rede 5G em seu território, alegando riscos para a segurança. Os dois países também travam uma batalha de influências no Pacífico.

Os amigos de Yang Hengjun expressaram preocupação quando ele não embarcou no avião que o levaria de Cantão, sul da China, a Xangai, em 19 de janeiro.

O grupo de defesa dos escritores PEN acusou a China de repressão contra os autores.

arb-ewx/ehl/mra/es/zm/fp

Twitter

Internacional