Topo

EUA apresentam em Varsóvia sua visão sobre o Oriente Médio

2019-02-12T19:24:00

12/02/2019 19h24

Varsóvia, 12 Fev 2019 (AFP) - Os Estados Unidos tentarão esta semana, em Varsóvia, convencer o mundo de sua visão do Oriente Médio com base na pressão máxima sobre o Irã e um forte apoio a Israel, um projeto que, no entanto, parece estar ganhando poucos novos adeptos.

O secretário de Estado americano, Mike Pompeo, anunciou no mês passado uma conferência de dois dias, que começa na quarta-feira, afirmando que diplomatas do mundo inteiro venderiam à Polônia para examinar a "influência desestabilizadora" do Irã no Oriente Médio.

Uma manifestação de unidade seria uma resposta poderosa ao regime iraniano que celebra nesta semana 40 anos de fervor popular que levou à Revolução Islâmica e à derrubada do sah iraniano pró-ocidental.

Mas, diante do pouco entusiasmo que despertou no mundo, os Estados Unidos e a Polônia abrandaram sua agenda e indicaram que agora sua conferência não se concentrava no Irã ou em qualquer coalizão dirigida contra aquele país, mas se concentraria no Oriente Médio.

O vice-presidente dos EUA, Mike Pence, falará nesta reunião e o secretário de Estado, Mike Pompeo, será o moderador.

Embora a reunião seja realizada na União Europeia, as potências europeias limitaram-se a enviar representantes de baixo escalão, com exceção do ministro das Relações Exteriores britânico, Jeremy Hunt, que disse que queria primeiro tratar da crise humanitária causada pela ofensiva da Arábia Saudita no Iêmen.

A chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini, disse que tinha outros compromissos e que Pompeo tomará o café da manhã com ela em Bruxelas quando voltar.

Mesmo a Polônia, país anfitrião - que quer relações mais próximas com os EUA diante do ressurgimento da Rússia -, ressaltou que continua compartilhando o apoio europeu ao acordo nuclear de 2015, negociado pelo ex-presidente Barack Obama, que previa sanções contra o Irã.

O presidente Donald Trump retirou-se do acordo no ano passado, descrevendo-o como "terrível" e reimplantando pesadas sanções para punir a economia iraniana e reduzir seu peso regional.

- Anteprojeto dos EUA -Os países que enviaram altos representantes a Varsóvia são a favor de uma postura dura contra o Irã, especialmente o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu e os aliados árabes dos Estados Unidos, como no caso dos Emirados Árabes Unidos.

Concordar com Netanyahu, ou Irã, continua a ser ou ponto focal da conferência e reflexão de Varsóvia sobre "como continuar impedindo que ela se torne arraigada na Síria, como neutralizar sua agressividade na região e, acima de tudo, como prevenir isso ou Irã seja equipado com armas nucleares".

Os Estados Unidos também devem discutir as propostas de paz entre Israel e os palestinos. O genro e conselheiro de Trump, Jared Kushner, que está se esforçando para finalizar o chamado "acordo do século" para o Oriente Médio, fará uma aparição rara na quinta-feira.

No entanto, Kushner, cuja família é próxima de Netanyahu, planeja revelar sua proposta como um todo após as eleições de 9 de abril em Israel.

O governo dos EUA tropeçou em sua tentativa de propor um acordo com a Autoridade Palestina após a decisão histórica de Trump em 2017 de reconhecer Jerusalém como a capital de Israel, um ponto de discórdia entre os dois lados.

O governo palestino, que descreveu a conferência de Varsóvia como uma "conspiração dos EUA", se recusa a falar com os Estados Unidos até que o país inicie o que chama de política mais equilibrada.

O Irã não foi convidado para a Polônia e em protesto, chamou o embaixador do país. O presidente iraniano Hassan Rohani viajará para a Rússia, cujas autoridades também não compareceram à reunião em Varsóvia.

Rohani se encontrará com o presidente Vladimir Putin e seu colega turco, Recep Tayyip Erdogan, para discutir a guerra na Síria, país do qual Washington anunciou que retiraria suas tropas.

sct/sw/pb/zm/cc/mvv

Mais Internacional