PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Rivais de Netanyahu formam aliança eleitoral em Israel

21/02/2019 14h13

Jerusalém, 21 Fev 2019 (AFP) - Os dois principais rivais do primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu nas eleições de abril anunciaram nesta quinta-feira a formação de uma aliança eleitoral para tentar derrotar o chefe de Governo.

Benny Gantz, um respeitado ex-militar, que já foi comandante do Estado-Maior, e o político centrista Yair Lapid anunciaram em comunicados a formação de uma lista conjunta para as eleições de 9 de abril e que devem estabelecer um rodízio à frente do governo em caso de vitória.

Gantz lidera o novo partido Resistência Israel, enquanto Lapid comanda o Yesh Atid, que atualmente tem 11 cadeiras das 120 do Parlamento.

As pesquisas mostram os dois como os principais adversários de Netanyahu, que acredita na vitória apesar das investigações de corrupção que envolvem seu nome.

O ex-ministro da Defesa Moshe Yaalon se uniu ao partido de Gantz, assim como outro ex-comandante militar, Gabi Ashkenazi, informaram os comunicados.

"Por um sentido de profunda responsabilidade nacional, Benny Gantz, Yair Lapid e Moshe Yaalon decidiram a criação de uma lista unificada que servirá como o novo partido de governo de Israel", afirma o comunicado divulgado pelo Yesh Atid.

"O partido apresentará uma nova equipe de liderança que garantirá a segurança de Israel e reunirá os elementos divididos da sociedade israelense".

Este novo partido vai se chamar Azul e Branco (as cores da bandeira israelense). De acordo com várias fontes, Gantz e Lapid planejam se revesar no cargo de primeiro-ministro caso vençam.

As possibilidades desta aliança podem aumentar se o procurador-geral israelense anunciar, antes das eleições, a sua intenção de indiciar o primeiro-ministro - que está há uma década no poder - nos casos de suposta corrupção em que é suspeito.

O Likud reagiu, chamando Gantz de "esquerdista" e "fraco".

"A escolha é clara: ou será um governo de esquerda Lapid-Gantz apoiado pelos partidos árabes, ou um governo de direita dirigido por Netanyahu", declarou o Likud em um comunicado.

Netanyahu foi primeiro-ministro de 1996 a 1999 e retornou ao poder em 2009, somando 13 anos à frente do Executivo. Atualmente lidera o que é considerado o governo mais à direita da história de Israel.

En caso de reeleição, Netanyahu bateria o recorde de longevidade do pai fundador do Estado de Israel, David Ben Gurion, que esteve no poder durante 13 anos.

As possibilidades de Netanyahu formar a próxima coalizão do governo são elevadas, de acordo com Shmuel Sandler, professor de Ciências políticas na Universidade Bar Ilan, perto de Tel-Aviv.

"Será a direita contra o centro", aponta Sandler. "Acredito que, tendo em vista os resultados das últimas pesquisas, Netanyahu tem maiores chances de vencer estas eleições, mesmo após a formação desta aliança" centrista.

mjs/je/al/fp/mr

Internacional