PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Navio leva ajuda humanitária de Porto Rico para a Venezuela

23/02/2019 17h57

Miami, 23 Fev 2019 (AFP) - Um navio procedente de Porto Rico, território americano no Caribe, está "em rota perto da Venezuela", levando ajuda humanitária para mitigar a crise naquele país, informou neste sábado (23) o governador Ricardo Rosselló, enquanto eram registrados distúrbios nas fronteiras venezuelanas com Brasil e Colômbia.

"A embarcação que leva ajuda humanitária proveniente de Porto Rico está em rota perto da Venezuela", disse Rosselló, desafiando o repúdio do chefe de Estado, Nicolás Maduro, a permitir a entrada de ajuda humanitária internacional, por considerá-la uma forma de ingerência nos problemas internos do país.

Sem informar a qual porto exatamente o navio se dirige, o governador porto-riquenho acrescentou, referindo-se à administração americana, que "o governo federal tem conhecimento da rota da embarcação com ajuda humanitária rumo à Venezuela".

"O objetivo desta missão é humanitário e exigimos respeito à integridade dos tripulantes e meios de comunicação que se encontram nesta embarcação", informou.

Enquanto isso, um caminhão repleto de ajuda humanitária foi incendiado em uma ponte na fronteira entre a Colômbia e a Venezuela, quando militares venezuelanos bloqueavam a passagem de uma caravana de quatro furgões e lançaram bombas de gás lacrimogêneo contra manifestantes.

Na fronteira com o Brasil também foram registrados distúrbios e dois caminhões com ajuda humanitária estavam parados em um ponto entre as duas alfândegas, enquanto 2.000 indígenas venezuelanos tentavam avançar na direção da fronteira com o Brasil para pressionar pela entrada da carga.

"Estamos acompanhando minuto a minuto de Washington a situação na Venezuela e o curso da nossa ajuda humanitária para esse povo sofrido", disse Rosselló.

Em outubro do ano passado, o governador assinou um pacto com a oposição venezuelana no qual se comprometeu a que Porto Rico sediasse as discussões que garantirão uma "transição ordenada" na Venezuela.

lm/cbr/mvv

Internacional