PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Os homens e as mulheres de confiança do regime norte-coreano em Hanói

26/02/2019 13h05

Hanói, 26 Fev 2019 (AFP) - O máximo dirigente norte-coreano Kim Jong Un pode contar no Vietnã com a ajuda, os conselhos e a proteção de seus colaboradores mais próximos para sua segunda cúpula com o presidente americano Donald Trump.

Veja quem são e que papel desempenham.

- Mão direita -Kim Yong Chol, um alto funcionário do partido único no poder e o equivalente norte-coreano do secretário de Estado americano Mike Pompeo, se encontra na linha de frente das negociações entre Pyongyang e Washington.

Ele é considerado o homem de confiança do dirigente norte-coreano, com quem viajou em um trem blindado ao Vietnã para participar da cúpula de Hanói, na quarta e na quinta-feira.

Kim Yong Chol viajou em janeiro a Washington com uma carta do líder. Após essa visita, a Casa Branca anunciou uma segunda cúpula para supostamente desbloquear as negociações sobre a desnuclearização que estão estagnadas desde o encontro simbólico de junho em Singapura.

Foi ele que supervisionou as negociações na cidade-estado para o primeiro encontro entre um dirigente americano e um líder norte-coreano. Ele também parece desempenhar um papel-chave na capital vietnamita.

- A irmã -Kim Yo Jong acompanhou seu irmão no ano passado a Pequim e agora a Hanói.

Nas reuniões internacionais costuma ficar perto do número um do regime norte-coreano. Ela segura seu casaco, anota seus comentários e passa a caneta para a assinatura de declarações conjuntas com os dirigentes de China, Coreia do Sul e Estados Unidos.

No ano passado representou seu país nos Jogos Olímpicos de Inverno de Pyeongchang, na Coreia do Sul.

As câmaras a gravam durante as reuniões entre seu irmão e chefes de Estado. Ela, quando percebe, prefere a discrição e se afasta dos holofotes.

- O emissário -Kim Hyok Chol, o emissário norte-coreano para os Estados Unidos, chegou a Hanói a uma semana da cúpula para comparecer às reuniões preparatórias com sua contra-parte americana Stephen Biegun.

Foi embaixador da Coreia do Norte na Espanha antes de ser expulso em 2017 durante um período de tensões em torno do programa nuclear de Pyongyang. Foi apresentado como o homólogo de Biegun durante uma visita em janeiro à Casa Branca com Kim Yong Chol.

Kim e Biegun se lançaram em uma maratona de negociações, provavelmente sobre a agenda da cúpula.

- O "mordomo" -Kim Chang Son é o chefe de gabinete de fato do dirigente norte-coreano, encarregado de supervisionar os temas de segurança e de protocolo durante os eventos importantes.

O número um norte-coreano e sua irmão são muito próximos, segundo a imprensa, a Kim Chang Son, que foi "mordomo de confiança" da família nos tempos de Kim Jong Il, o falecido pai e antecessor do dirigente atual.

O "mordomo" chegou a Hanói há quase duas semanas para inspecionar os lugares que receberão a cúpula e onde os norte-coreanos ficarão hospedados. Nesta terça-feira esteve na estação de trem Dong Dang para receber o dirigente norte-coreano em sua chegada ao Vietnã.

- Os guarda-costas -Uma centena de guarda-costas partiram de avião no domingo de Pyongyang, segundo a imprensa vietnamita. Em Singapura atuaram com discrição, tanto durante as reuniões propriamente ditas como quando Kim Jong Un saiu à noite pelas ruas da cidade-estado.

Entretanto, durante a primeira cúpula de Kim com o presidente sul-coreano Moon Jae-in chamaram a atenção correndo ao lado do Mercedes-Benz de seu presidente.

No Vietnã, uma dezena deles acompanharam por alguns momentos o veículo que levou Kim a Hanói após a chegada no trem blindado.

sh/jv/ev/sde/cn/erl/age/cc

Internacional