PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Trump gera protestos nos EUA por acreditar em Kim em caso de estudante torturado

28/02/2019 19h05

Washington, 28 Fev 2019 (AFP) - As declarações de Donald Trump nesta quinta-feira (28) de que ele acredita em Kim Jong Un quando diz que não sabia nada sobre a tortura do estudante americano Otto Warmbier na Coreia do Norte desencadeou uma série de reações negativas nos Estados Unidos.

O presidente americano aparentemente apoiou a posição do líder norte-coreano no caso de Warmbier, um estudante que morreu quando voltou da Coreia do Norte em 2017.

Um juiz norte-americano ordenou que Pyongyang, em 2018, pagasse uma indenização de 501 milhões de dólares pela morte de Warmbier- que foi libertado pela Coreia do Norte em coma e morreu dias depois nos Estados Unidos -, considerando que o universitário provavelmente foi submetido a tortura.

"Ele conhecia muito bem o caso, mas descobriu mais tarde", disse Trump sobre Kim na conclusão de sua cúpula nuclear em Hanói, acrescentando que, quando Warmbier foi detido, ele foi seguido por "algumas coisas horríveis".

Kim "me disse que não tinha ouvido nada sobre isso, e acredito em sua palavra", disse o presidente, que vem desenvolvendo um relacionamento próximo com Kim no âmbito de seu diálogo para a desnuclearização da península coreana.

Seus comentários sobre Warmbier levantaram uma onda de condenação entre os congressistas democratas, que veem no gesto o mais recente exemplo do presidente de aceitar as negações de líderes autocráticos como o russo Vladimir Putin ou o príncipe saudita Mohamed bin Salman.

A presidente da Câmara dos Representantes e líder da maioria democrata, Nancy Pelosi, disse que achava que havia algo "errado" no presidente se ele escolhesse "rufiões" como Putin ou Kim em vez da comunidade de inteligência americana.

"A falsa prisão de Otto Warmbier e o brutal assassinato foram incidentes internacionais, é claro que Kim sabia disso", disse no Twitter o senador Mark Warner, o principal democrata do Comitê de Inteligência do Senado.

"Aparentemente, o presidente dos Estados Unidos é o único que acredita nessa mentira tão óbvia", acrescentou.

Warmbier, um estudante da Universidade da Virgínia, viajou para a Coreia do Norte, mas não voltou para casa. Ele foi preso naquele país acusado de crimes contra o Estado por supostamente remover um sinal em apoio ao líder Kim Jong Un.

Quando finalmente voltou aos Estados Unidos em 2017, após 17 meses de prisão, ele foi conectado a um tubo de alimentação e emitiu ruídos incompreensíveis, como observado na decisão judicial. Ele ficou cego e surdo, e seus olhos estavam inchados e alguns dias depois ele morreu.

A Coreia do Norte negou maus-tratos a Warmbier e disse que contraiu botulismo enquanto estava detido.

Internacional