PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Adolescentes matam oito pessoas em escola na Grande São Paulo

13/03/2019 18h46

São Paulo, 13 Mar 2019 (AFP) - Dois adolescentes mataram oito pessoas e depois cometeram suicídio nesta quarta-feira em uma escola de Suzano, na Grande São Paulo.

A Polícia Militar (PM) informou que o ataque, que aconteceu por volta das 9h30, deixou ainda dez feridos.

"Oito pessoas morreram no local, incluindo os dois agressores que se suicidaram", confirmou uma porta-voz da PM, acrescentando que "dois feridos morreram quando chegaram no hospital".

No local do massacre, o governador de São Paulo, João Doria, declarou que ainda não há confirmação de que os dois agressores, ainda não identificados, eram ex-alunos da escola.

Ele informou, porém, que entre as vítimas há dois funcionários da escola. "É a cena mais triste que já vi na minha vida".

Em frente ao colégio público Raul Brasil, muitos pais aguardavam angustiados por notícias de seus filhos.

O coronel Marcelo Sales, comandante geral da PM, informou que os agressores, antes de entrarem na escola, "atiraram contra o proprietário de um lava-jato", que ficou ferido.

Em um vídeo postado no site G1, gravado dentro da escola, é possível ouvir os gritos aterrorizados dos alunos ao se depararem com os corpos de seus colegas no corredor.

Esse tipo de ataque com arma de fogo em ambiente escolar é raro no Brasil.

Em abril de 2011, um ex-aluno de uma escola de Realengo, no Rio de Janeiro, matou doze alunos e feriu vários outros, antes de se matar.

O massacre desta quarta acontece depois da polêmica em torno da flexibilização da posse de armas impulsionada pelo presidente Jair Bolsonaro e a chamada "bancada da bala" no Congresso.

O coronel Sales afirmou que os agressores usaram "um revólver calibre 38 e uma arma medieval com flechas".

O ataque aconteceu na hora do recreio dos alunos do Ensino Médio.

Após atirar contra as pessoas que estavam no pátio, os dois "se dirigiram para o centro de línguas", onde vários alunos tinham se escondido, e "se suicidaram no corredor".

"Fiquei sabendo porque me filha me ligou, ela disse: 'mãe, corre para cá, está tendo um tiroteio'", contou Rosa, mãe de uma aluna do colégio.

O ministro da Educação, Ricardo Vélez, emitiu um comunicado de condolências. "O Ministério se solidariza com os pais, familiares e funcionários da escola neste momento de choque, luto e dor".

js-pt/mr

Internacional