PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Tusk diz que Londres tem que mudar de posição para obter prorrogação longa

14/03/2019 07h24

Bruxelas, 14 Mar 2019 (AFP) - O presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, afirmou nesta quinta-feira que o Reino Unido deve modificar sua estratégia no Brexit se deseja obter dos 27 sócios europeus uma "longa" prorrogação da data de divórcio, previsto para 29 de março.

"Durante minhas consultas prévias ao Conselho Europeu (de 21 e 22 de março) farei um apelo aos 27 para que se mostrem dispostos a uma longa extensão se o Reino Unido considerar necessário repensar sua estratégia do Brexit e criar um consenso ao redor dela", escreveu Tusk no Twitter.

As declarações do dirigente europeu foram divulgadas poucas horas antes do Parlamento britânico se pronunciar sobre una prorrogação da data do Brexit, depois de rejeitar na terça-feira um acordo de divórcio e descartar na quarta-feira a hipótese de uma separação abrupta da UE.

A primeira-ministra britânica, Theresa May, propôs aos deputados uma extensão curta do Brexit, até 30 de junho, desde que a Câmara dos Comuns aprove o acordo de divórcio concluído com Bruxelas, que já foi rejeitado pelos deputados em duas ocasiões.

May parece responder a uma das condições dos europeus, que estariam dispostos a aceitar uma prorrogação de várias semanas, caso exista uma perspectiva clara de que um acordo será possível. A União Europeia (UE) não deseja "prolongar a agonia", afirmou uma fonte diplomática.

Mas diante da reiterada rejeição de Westminster ao mecanismo idealizado para evitar uma fronteira para bens entre Irlanda - país da UE - e a província britânica da Irlanda del Norte, os 27 sócios preferem uma mudança de posição em Londres, que implicaria uma extensão "longa".

O negociador europeu Michel Barnier pediu na quarta-feira ao Reino Unido que dia o que deseja para a "relação futura" com a UE, antes de decidir uma prorrogação.

A permanência na união alfandegária com a UE, que permitiria superar o obstáculo da fronteira da Irlanda, é a opção, por exemplo, defendida pela oposição trabalhista de Jeremy Corbyn, mas rejeitada até o momento pela primeira-ministra britânica.

Uma prorrogação da data do Brexit além de 30 de junho implicaria que o Reino Unido terá que organizar eleições para eurodeputados entre 23 e 26 de maio.

tjc/zm/fp

Internacional