PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Governo neozelandês anuncia princípio de acordo para endurecer leis sobre armas

18/03/2019 06h09

Wellington, 18 Mar 2019 (AFP) - O governo da Nova Zelândia alcançou nesta segunda-feira um princípio de acordo para endurecer a legislação sobre armas, anunciou a primeira-ministra Jacinda Ardern, poucos dias depois do ataques contra duas mesquitas que deixaram 50 mortos.

Ardern disse que os detalhes das medidas serão divulgados antes de uma reunião do governo na próxima segunda-feira. Ela afirmou que o "momento de agir é agora".

A primeira-ministra também anunciou uma investigação sobre os ataques contra as mesquitas de Christchurch na sexta-feira passada, que provocou dúvidas sobre como o suposto autor - um supremacista branco - não foi detectado pelas agências de inteligência.

Embora os detalhes ainda precisem ser debatidos, a rapidez da decisão da Nova Zelândia provocou um impacto em todo o planeta, especialmente nos Estados Unidos, onde muitas pessoas pedem reformas há várias décadas e onde o debate ressurge após cada massacre.

"Tomamos uma decisão como governo, estamos unidos, disse a primeira-ministra neozelandesa, ao lado do vice-premier, Winston Peters.

Peters, cujo partido Nova Zelândia Primeiro era contrário às mudanças, afirmou que respalda totalmente a primeira-ministra.

"A realidade é que depois das 13H00 de sexta-feira nosso mundo mudou para sempre. E o mesmo acontecerá com nossas leis", disse.

- Acusado não deseja advogado -O australiano acusado de assassinato pelo banho de sangue nas mesquitas de Christchurch planeja representar a si mesmo no julgamento, afirmou o advogado designado pela corte.

Brenton Tarrant foi acusado por assassinato no sábado durante uma breve audiência na qual fez um gesto próprio dos supremacistas brancos.

O advogado designado pela justiça, Richard Peters, que o representou durante a audiência preliminar, disse que o australiano, de 28 anos, "indicou que não quer um advogado".

"Ele pareceu como alguém congruente e não mentalmente incapacitado. Foi o que pareceu, ele parecia entender o que estava acontecendo", disse Peters.

O acusado gravou e transmitiu ao vivo os ataques contra as mesquitas nas redes sociais.

Um jovem de 18 anos foi acusado nesta segunda-feira por um tribunal de Christchurch por ter divulgado o vídeo transmitido pelo autor do massacre.

A justiça não autorizou a publicação do nome do jovem, que também foi acusado por ter publicado uma fotografia da mesquita de Al Noor de Christchurch com a frase "objetivo alcançado". Ele pode ser condenado a até 14 anos de prisão por cada acusação.

O juiz rejeitou o pedido de libertação sob fiança do jovem, que permanecerá detido até a próxima audiência, em 8 de abril.

- Comerciante não se considera responsável -O comerciante de armamentos que vendeu armas ao acusado pelos ataques às mesquitas afirmou que não se considera responsável pelas mortes de 50 pessoas.

David Tipple, gerente da Gun City, confirmou que vendeu quatro armas de fogo e munição a Brenton Tarrant.

"Não percebemos nada fora do comum sobre este dono de uma licença de armas", disse Tipple.

O comerciante se recusou a responder sobre o uso de armas de fogo adquiridas em sua loja e disse que não era o momento de um debate sobre armamento.

Ao ser questionado se tinha algum sentimento de responsabilidade, Tipple respondeu: "Não".

Ele afirmou que continuará vendendo armas a qualquer pessoa com o mesmo tipo de autorização que o australiano e disse que é responsabilidade da polícia revisar os pedidos.

De acordo com últimos dados disponíveis, a polícia aprovou 99,6% dos quase 45.000 pedidos em 2017, ano em que Tarrant recebeu a licença.

Tipple, no entanto, afirmou que a arma semiautomática de tipo militar (MSSA) que é possível observar nos vídeos transmitidos ao vivo pelo atirador durante os ataques não procede de sua loja.

"Não vendemos o rifle usado no incidente. Vi o vídeo, vi o rifle e tenho certeza de onde vem - se tiver o número de série que imagino - e não é de nenhuma loja afiliada da Gun City", afirmou.

Tarrant obteve uma permissão "categoria A" em novembro de 2017 e comprou, on-line, quatro armas em quatro meses, segundo o comerciante.

Internacional