PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Cinco países europeus na ONU rejeitam Golã como território israelense

26/03/2019 15h52

Nações Unidas, Estados Unidos, 26 Mar 2019 (AFP) - Cinco países europeus que compõem o Conselho de Segurança da ONU rejeitaram na terça-feira a decisão dos Estados Unidos de reconhecer as colinas de Golã como território israelense e expressaram preocupação com as consequências dessa declaração.

A Bélgica, o Reino Unido, a França, a Alemanha e a Polônia insistiram que a posição europeia nas Colinas de Golã não mudou, então continuam a ser território sírio ocupado por Israel, de acordo com o direito internacional consagrado nas resoluções das Nações Unidas.

"Não reconhecemos a soberania de Israel sobre os territórios ocupados por Israel desde junho de 1967, incluindo as Colinas de Golã, e não os consideramos parte do território do Estado de Israel", disse a repórteres o embaixador belga Marc Pesteen, da Buytswerve.

"Expressamos nossa grande preocupação com as consequências mais amplas do reconhecimento da anexação ilegal e também sobre as consequências regionais mais amplas", disse ele, ladeado pelos embaixadores dos outros quatro países.

Três resoluções do Conselho de Segurança da ONU pedem a Israel que se retire do Golã, que conquistou da Síria na Guerra dos Seis Dias de 1967 e anexou em 1981, um passo nunca reconhecido internacionalmente.

Na segunda-feira, o presidente Donald Trump assinou uma proclamação reconhecendo esse patamar estratégico como um território israelense, em uma ruptura com décadas de política dos EUA.

O embaixador interino dos EUA na ONU, Jonathan Cohen, disse em uma reunião do Conselho de Segurança sobre Oriente Médio que Washington tomou a decisão de confrontar o presidente sírio Bashar al-Assad e o Irã.

"Permitir que as colinas de Golã sejam controladas por regimes como o sírio e o iraniano seria fechar os olhos para as atrocidades do regime de Assad e a presença maligna e desestabilizadora do Irã na região", disse Cohen.

"Não pode haver um acordo de paz que não atenda satisfatoriamente às necessidades de segurança de Israel nas colinas de Golã", acrescentou.

A Rússia e a China protestaram contra a decisão dos EUA durante a reunião do conselho, assim como a Indonésia e a África do Sul, dois países que apoiam os palestinos.

Espera-se que o Conselho de Segurança discuta a decisão dos EUA na quarta-feira, quando se reunir para discutir o futuro da missão de paz da ONU implantada no Golã, conhecida como FNUOS.

cml/jm/ad/lda/cc

Internacional