Topo

Jovem que sequestrou adolescente e matou seus pais pega prisão perpétua nos EUA

24/05/2019 21h04

Chicago, 25 Mai 2019 (AFP) - Chamando-o de "a encarnação do mal", um juiz americano sentenciou nesta sexta-feira (24) um homem de 21 anos à prisão perpétua por assassinar um casal e sequestrar sua filha de 13 anos.

Jake Patterson se declarou culpado em março de sequestro e homicídio em primeiro grau por matar a tiros James e Denise Closs na casa deles na zona rural do Wisconsin em outubro passado.

Patterson invadiu a casa planejando matar o casal para que não houvesse testemunhas do sequestro de sua filha, Jayme, a quem tinha visto anteriormente quando embarcava em um ônibus escolar.

Apesar de uma busca que abarcou todo o país, a jovem passou três meses em cativeiro até conseguir escapar e fugir para a casa de um vizinho, perto da casa onde vivia seu captor e onde a manteve trancada.

Ao proferir a pena máxima de prisão perpétua, o juiz James Babler rejeitou os argumentos dos advogados de defesa de possibilidade de liberdade condicional em algumas décadas.

Babler destacou declarações de Patterson na prisão, nas quais supostamente admitiu ter fantasiado sequestrar várias meninas e matar suas famílias para dar sentido à sua vida solitária.

"Não tenho dúvidas de que você é um dos homens mais perigosos que já caminhou neste planeta", disse Babler no processo judicial de duas horas.

"Você é a encarnação do mal e o público só pode estar a salvo se você ficar preso até morrer", acrescentou o juiz.

Foi a primeira vez que o público ouviu Jayme, através de uma declaração da vítima lida pelo advogado Chris Gramstrup durante a audiência.

"É muito difícil para mim sair em público. Me assusto e fico ansiosa", escreveu Closs, pedindo ao juiz a pena máxima.

Patterson, que negou com a cabeça enquanto a promotoria e o juiz descreviam seus atos e declarações, desculpou-se por seus crimes.

"Só vou dizer que gostaria de fazer absolutamente qualquer coisa para voltar atrás no que fiz", disse Patterson com a voz embargada. "Não me preocupo comigo. Só lamento muito".

Mais Internacional