Topo

Egito acusa ONU de querer "politizar" a morte de Mursi

19/06/2019 06h03

Cairo, 19 Jun 2019 (AFP) - O governo do Egito acusou nesta quarta-feira a ONU de querer "politizar" a morte de Mohamed Mursi, uma reação ao pedido do Escritório do Alto Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos por uma investigação "minuciosa e independente" sobre o falecimento na segunda-feira do ex-presidente islamita.

O porta-voz do ministério das Relações Exteriores, Ahmed Hafez, criticou em um comunicado o pedido da ONU após a morte do ex-presidente, que faleceu quando estava no tribunal.

Ele afirmou que esta é uma "tentativa deliberada de politizar um caso de morte natural".

"Qualquer morte súbita na prisão deve ser acompanhada por uma investigação rápida, imparcial, minuciosa e transparente, realizada por um órgão independente para revelar a causa da morte", afirmou na terça-feira Rupert Colville, porta-voz do Alto Comissariado para os Direitos Humanos.

Mohamed Mursi ficou preso durante quase seis anos e permaneceu em isolamento. Na segunda-feira, quando estava no tribunal, desmaiou e faleceu pouco depois.

mon-emp/gk/pc/zm/fp

Mais Internacional