Topo

Por promessa de US$ 9 milhões na internet, americana mata a "melhor amiga"

19/06/2019 08h29

Los Angeles, 19 Jun 2019 (AFP) - Uma jovem americana foi acusada de organizar o assassinato de sua "melhor amiga" depois que um homem, que ela conheceu pela internet, ofereceu 9 milhões de dólares para que cometesse o crime.

De acordo com os investigadores, Denali Brehmer, de 18 anos e moradora do Alasca, foi recrutada para matar sua amiga por Darin Schilmiller, de 21 anos. O homem, que vive no estado de Indiana, se fazia passar nas redes sociais por um milionário chamado "Tyler" e iniciou uma relação com Brehmer.

De acordo com os documentos judiciais, o casal discutiu um plano para estuprar e assassinar alguém no Alasca e Schilmiller supostamente prometeu a Brehmer 9 milhões de dólares ou mais pelo envio de vídeos ou fotografias do crime.

Denali Brehmer recrutou outros quatro jovens. O grupo escolheu Cynthia Hoffman, de 19 anos e com problemas mentais, como sua vítima.

De acordo com seu pai, Hoffman tinha a idade mental de uma menina de 12 anos e considerava Brehmer sua "melhor amiga".

No dia 2 de junho, Cynthia Hoffman foi enganada e levada para uma trilha ao nordeste da capital do Alasca, Anchorage, onde foi amarrada com fita adesiva e recebeu um tiro na nuca, antes de ser empurrada para um rio, informou o Departamento de Justiça do estado.

O corpo foi encontrado dois dias depois. A polícia acredita que a vítima foi levada por Brehmer e Kayden McIntosh, um adolescente de 16 anos, sob o pretexto de fazer uma caminhada ao longo do rio.

McIntosh foi acusado de atirar em Hoffman com uma arma de Brehmer e de jogar o corpo na água. Durante o episódio macabro, Brehmer se comunicava com Schilmiller e enviava, pelo aplicativo Snapchat, "fotografias e vídeos de Hoffman amarrada e depois do corpo", segundo as autoridades.

Brehmer e McIntosh foram detidos e acusados pelo crime. Schilmiller também foi detido, assim como outros três menores de idade, acusados de auxiliar no planejamento ou execução do assassinato.

Um júri popular indiciou os seis envolvidos por assassinato e conspiração para cometer assassinato, entre outras acusações.

Em outro caso, Schilmiller e Brehmer também foram acusados na terça-feira por atos de pedofilia cometidos pela jovem, mais uma vez a pedido do suposto milionário das redes sociais, contra meninas.

Ambos correm o risco de condenação à prisão perpétua pelas acusações de pornografia infantil e e a 99 anos de cadeia por cada uma das acusações relacionadas ao assassinato.

Mais Internacional