Topo

Parlamento aprova adesão da Venezuela a tratado que ampararia intervenção

23/07/2019 15h34

Caracas, 23 Jul 2019 (AFP) - O Parlamento venezuelano, controlado pela oposição, aprovou nesta terça-feira o retorno do TIAR, um tratado de defesa regional que é considerado o marco legal para eventual intervenção militar no país petroleiro.

Durante uma sessão em uma praça em Caracas, o Legislativo transformou em lei o projeto que reinstala a Venezuela no Tratado Interamericano de Assistência Recíproca (TIAR), do o país qual foi retirado em 2013.

"Aprovada por unanimidade de todos os presentes. É sancionada assim (a lei)", disse o chefe do Parlamento, Juan Guaidó, que nesta terça-feira completa seis meses em que se autoproclamou presidente interino da Venezuela.

Guaidó é reconhecido por cinquenta países, incluindo os Estados Unidos, que não descarta a ação armada na Venezuela para expulsar o presidente socialista, Nicolás Maduro, do poder.

"O TIAR não é mágico, não é um botão que pressionamos e amanhã tudo está resolvido. Chegamos a esse ponto por tudo que construímos há anos", disse o opositor diante de mil pessoas entre deputados, embaixadores e simpatizantes.

Guaidó ainda disse que esse passo permitirá o estabelecimento de "alianças internacionais" para "proteger e defender o povo e a soberania venezuelana", sem mencionar explicitamente uma intervenção estrangeira.

No entanto, o líder não descarta essa opção para acabar com o que ele denuncia como "a ditadura de Maduro", que o Legislativo já declarou em "usurpação" de poder por considerar que sua reeleição em 2018 foi fraudulenta.

A iniciativa foi aprovada no primeiro debate em 28 de maio.

O tratado do TIAR foi acertado em 2012 pela Bolívia, Equador, Nicarágua e Venezuela, esta última sob a presidência do falecido Hugo Chávez (1999-2013).

Esses países argumentaram que o pacto - em vigor desde 1947 - foi mortalmente ferido após a guerra de 1982 entre a Argentina e a Grã-Bretanha pela soberania das Ilhas Falkland (Malvinas), quando os Estados Unidos não apoiavam Buenos Aires.

A reentrada no TIAR, no entanto, permanecerá em um limbo jurídico, uma vez que as decisões do Legislativo são consideradas nulas desde 2016 pelo Supremo Tribunal de Justiça, de linha oficial.

axm/yow/cn

Internacional