Topo

Navio militar espanhol transportará 15 migrantes do Open Arms

22/08/2019 13h38

Madri, 22 Ago 2019 (AFP) - O governo espanhol confirmou nesta quinta-feira (22) que o navio militar enviado para Lampedusa na terça (20) ainda está navegando até a ilha italiana para pegar os 15 migrantes da embarcação "Open Arms" que prometeu acolher.

O objetivo inicial de enviar o "Audaz" era recuperar todos os resgatados bloqueados no navio humanitário da ONG espanhola perto de Lampedusa, já que Roma não os autorizou a desembarcar.

Algumas horas depois de partir, porém, a Justiça italiana ordenou o desembarque dos migrantes na ilha, e a missão do navio militar ficou incerta.

"É mais útil e mais eficaz terminar sua rota e trazer a cota (de migrantes) que nos cabe", disse a número dois do governo espanhol, Carmen Calvo.

Conforme o acordo assinado com outros países europeus, a Espanha prometeu acolher 15 deles.

"Não sabemos se algum país, mesmo no último momento, pode se juntar a essa divisão. Mas, em princípio, nossa cota era de 15, e é isso que vamos trazer ao nosso país em uma resposta humanitária", disse.

Justificando a continuação da missão naval, Calvo explicou que o Ministério da Defesa "afirmou que era muito mais seguro fazer o translado por mar do que pelo ar".

"Muito mais seguro e muito mais fácil para as nossas Forças Armadas", acrescentou.

A ONG Proactiva Open Arms pediu a Madri que fretasse um avião para levar os migrantes para a Espanha.

Após 19 dias no navio humanitário, os migrantes deram entrada na noite de terça-feira no abrigo de Lampedusa.

Ao chegarem à ilha, ontem, os migrantes somavam 147. Devido à retirada de alguns deles, no momento do desembarque, apenas cerca de 80 permaneceram.

A França prometeu acolher 40, e Portugal, mais dez, em um acordo do qual Luxemburgo e Alemanha também devem participar.

A Romênia havia se prontificado, mas, finalmente, sua participação não será necessária.

emi/dbh/mg/mb/mr/tt

Mais Notícias