Topo

Automóveis, alvo da 'geração do clima'

Milhares de ambientalistas marcharam neste sábado (14) em Frankfurt - Wolfgang Rattay/Reuters
Milhares de ambientalistas marcharam neste sábado (14) em Frankfurt Imagem: Wolfgang Rattay/Reuters

14/09/2019 16h16

Milhares de ambientalistas marcharam neste sábado (14) em Frankfurt para expressar seu repúdio ao renomado Salão do Automóvel alemão.

Entre 15 mil e 25 mil manifestantes, segundo a polícia e os organizadores, pediram uma "revolução dos transportes", ponto culminante deste protesto de magnitude inédita.

A maioria chegou ao local de bicicleta, saindo de várias cidades da região, usando os trechos de autoestradas fechados para a ocasião.

"O salão do automóvel representa o século passado", disse à AFP Christoph Bautz, diretor do grupo Campact, que co-organizou a manifestação. "Queremos que o futuro seja dos ônibus, dos trens e das bicicletas. Não queremos mais caminhonetes grandes e carros que consomem muito!".

"Queremos uma revolução dos meios de transporte", reivindicou Tina Velo, dando um pseudônimo, porta-voz do coletivo "Sand im Getriebe", que convocou para o domingo o bloqueio do Salão.

Tina Velo representa o braço mais radical do movimento ambientalista alemão, aqueles dispostos a empreender ações ilegais para chamar a atenção.

Essa combinação de atos legais e ilegais é o modus operandi do movimento de defesa do clima, em pleno auge na Europa e que agora ataca uma indústria intocável durante muito tempo devido à sua importância para a economia alemã.

O setor se debilitou desde o escândalo, em 2015, dos motores a diesel da Volkswagen, equipados com um programa que fraudava as medições de poluentes.

Mobilização ecologista

Os temas relacionados às mudanças climáticas suscitam grande interesse da opinião pública e os ecologistas aproveitam os ventos favoráveis.

Na terça-feira, assim que foram abertas as portas do evento à imprensa, começaram os protestos no Salão de Frankfurt. Vinte ativistas do Greenpeace, vestindo jaquetas verdes, encheram um balão preto gigante com a inscrição "CO2".

"A indústria automobilística continua sem entender a crise do clima. Ao invés de aplaudir aqui os SUV (4x4) que consomem muito combustível, os construtores devem acabar com esses tanques urbanos e com os motores a combustão", declarou à AFP Benjamin Stephan, ativista da ONG.

O grupo também se manifestou na quinta-feira no estande da Volkswagen e da BMW durante visita da chanceler alemã, Angela Merkel, à feira. Vários manifestantes subiram em veículos SUV e exibiram cartazes com a frase "Assassinos do clima".

Na Alemanha ergueram-se vozes pedindo a proibição destes veículos no centro das cidades depois que um deles subiu em uma calçada na semana passada, matando quatro pedestres.

"É preciso deixar a gasolina e o diesel, abandonar o motor de combustão e reduzir o número de carros", enumera Neubauer.

"Abandonar o carro"

Na Europa se propagam como rastilho de pólvora iniciativas como a do coletivo "Fridays for Future" (Sextas para o Futuro) e a rede europeia Extinction Rebellion (Rebelião contra a Extinção). Costumam bloquear um lugar por algum tempo. Na Alemanha, o grupo "Ende Gelände" conseguiu em junho ocupar e interditar temporariamente uma mina de carvão.

"A indústria do automóvel está sob pressão, já não tem o apoio da sociedade como anos atrás", conclui Tina Velo.

Mais Notícias