Topo

ONU prorroga missão no Afeganistão cedendo à pressão da China

17/09/2019 18h31

Nações Unidas, Estados Unidos, 17 Set 2019 (AFP) - O Conselho de Segurança da ONU decidiu por unanimidade prorrogar sua missão no Afeganistão depois que a China retirou a ameaça de veto se o texto não mencionasse a iniciativa comercial "Belt and Road" - a nova Rota da Seda.

A Missão de Assistência da ONU no Afeganistão (Unama) obteve a extensão da atividade por um ano a partir de um texto de compromisso, negociado pela Alemanha e Indonésia, que não mencionava a iniciativa "Belt and Road" (BRI), mas que se refere à promoção da "cooperação e conectividade regional", termo que Pequim repetidamente manteve, segundo um diplomata.

As funções da Unama, estabelecidas em 2002, incluem apoio ao governo, bem como o processo de paz e reconciliação, promoção dos direitos humanos e incentivo à cooperação regional.

Por 15 dias, a China exerceu sua ameaça de veto e solicitou que a resolução incluísse uma referência ao esforço do presidente Xi Jinping de reinventar a antiga Rota da Seda que conecta a Ásia à Europa e à África através de investimentos maciços em projetos marítimos, rodoviários e ferroviários.

Os bancos chineses forneceriam centenas de bilhões de dólares em financiamento para a iniciativa, que os Estados Unidos encaram com um meio de expandir a hegemonia chinesa na região.

Os parceiros de Pequim costumavam achar incompreensível a posição chinesa quando o objetivo do Conselho era renovar o apoio ao Afeganistão, onde os atentados suicidas do Talibã mataram pelo menos 48 pessoas na terça-feira e alertaram para mais violência antes das eleições presidenciais de 28 de setembro.

Em meio de uma guerra comercial com a China, Washington rechaçou qualquer menção do BRI na resolução, e a maioria dos membros do Conselho apoiou a postura dos Estados Unidos.

A resolução adotada pede à Unama que apoie "em estreita consulta e coordenação com o governo do Afeganistão, a organização de futuras eleições gerais no país, transparentes e inclusivas, além das eleições presidenciais agendadas para 28 de setembro de 2019".

prh/la/it/jm/llu/gv/lca

Mais Notícias