Topo

Exército sírio e forças curdas lutam contra rebeldes pró-Turquia

16/10/2019 06h09

Beirute, 16 Out 2019 (AFP) - O exército do regime sírio e as forças curdas protagonizavam nesta quarta-feira violentos combates contra os rebeldes pró-Turquia na região norte da Síria, onde as forças turcas iniciaram uma ofensiva contra uma milícia curda.

Para conter o avanço das tropas turcas, as forças curdas, abandonadas por Washington, pediram ao exército de Bashar Al-Assad que entrassem em alguns setores do norte do país, sobretudo em Manbij e Ain Isa, a 30 km da fronteira.

Desde o início da ofensiva há uma semana, o exército turco e seus reforços sírios - ex-combatentes rebeldes que já lutaram pela queda do regime - assumiram o controle de uma faixa de território de 120 km na fronteira.

Nesta quarta-feira foram registrados confrontos violentos ao nordeste de Ain Isa entre o exército sírio e as forças curdas e os rebeldes pró-Turquia, afirmou a ONG Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

O regime e as Forças Democráticas Sírias (FDS), dominadas pelas forças curdas, combatem "juntas", afirmou à AFP o diretor do OSDH, Rami Abdel Rahman.

Os combates acontecem perto da estratégica rodovia M4, em áreas que separam os territórios sob controle das forças curdas das zonas ocupadas recentemente pelos reforços sírios de Ancara, indicou o OSDH.

Na terça-feira, dois soldados do regime sírio morreram perto de Ain Isa, atingidos por disparos de artilharia dos rebeldes pró-Turquia.

A Rússia, grande aliada do regime de Assad, afirmou que não permitira combates entre os exércitos turco e sírio.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, acusado de ter abandonado os curdos, anunciou que seu vice-presidente, Mike Pence, e o secretário de Estado, Mike Pompeo, viajarão à Turquia para negociar um "cessar-fogo".

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, descartou a possibilidade.

Ao mesmo tempo, o ministro francês das Relações Exteriores, Jean-Yves Le Drian, afirmou que os campos controlados pelos curdos no nordeste da Síria, onde muitos jihadistas estão detidos, não estão ameaçados atualmente pela ofensiva turca.

Ele também afirmou que vai conversar com as autoridades iraquianas sobre a criação de um "dispositivo" internacional que permita julgar os extremistas do grupo Estado Islâmico, incluindo os franceses.

tgg/feb/all/es/bl/fp

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Notícias