PUBLICIDADE
Topo

Veja os possíveis cenários das eleições britânicas

11/12/2019 11h29

Londres, 11 dez 2019 (AFP) - O primeiro-ministro conservador britânico Boris Johnson espera conquistar nesta quinta-feira uma maioria clara que lhe permitirá governar sozinho. Mas sua vantagem nas pesquisas caiu consideravelmente antes de uma votação descrita como incerta. Veja os cenários possíveis:

- Clara vitória de Johnson: a caminho do Brexit -Os conservadores conquistaram uma maioria absoluta - 326 cadeiras em teoria, um pouco menos na prática - para Boris Johnson, que concentrou sua campanha na promessa de tirar o Reino Unido da União Europeia.

O Parlamento lança antes do Natal o processo de ratificação do acordo do Brexit que negociou com Bruxelas para uma aprovação final em janeiro, permitindo uma saída em 31 de janeiro, após três adiamentos.

O acordo de retirada estabelece as condições para o divórcio entre o Reino Unido e a União Europeia após 47 anos de casamento tumultuado, em termos de direitos dos cidadãos e cumprimento de compromissos financeiros. Também introduz um período de transição até o final de 2020, prorrogável, e trata o problema da fronteira entre a província britânica da Irlanda do Norte e a República da Irlanda, membro da UE.

Mas a saga não vai parar por aí. Londres terá até 31 de dezembro de 2020 para negociar seu futuro relacionamento com seu vizinho europeu. Um prazo que parece impossível, pois esse tipo de negociação geralmente leva anos.

- Trabalhistas lideram, mas sem maioria -Boris Johnson tenta permanecer no comando de um governo minoritário. Ele precisará encontrar aliados para isso, o que promete ser difícil.

Como demonstrado nos últimos meses, governar com aliados pode levar a bloqueios e reduzir as chances de adoção do acordo Brexit, ressuscitando o temido cenário de um divórcio sem acordo.

Após a saída, isso complicaria as difíceis negociações comerciais que se aproximam com a UE.

Em 2017, Theresa May teve que se associar ao pequeno partido unionista da Irlanda do Norte DUP, que tinha 10 deputados ultraconservadores em Westminster.

Essa aliança surgiu devido à recusa do DUP em apoiar os acordos de divórcio negociados por Theresa May e Boris Johnson.

O DUP se opõe às disposições para impedir o retorno de uma fronteira entre a província britânica e a República da Irlanda, membro da UE, após 20 anos de paz que encerrou décadas de violência.

- Trabalhistas assumem o poder -Se uma maioria absoluta parece fora do alcance do trabalhista Jeremy Corbyn, o líder da oposição conseguiria as chaves de 10 Downing Street se formar uma aliança com os independentistas do SNP, contrários ao Brexit.

Mas enfrentaria a vontade do SNP de realizar um referendo sobre a independência da Escócia, seis anos depois de uma votação vencida pelo "não".

A personalidade de Jeremy Corbyn, de esquerda e acusado de permitir o florescimento do antissemitismo em seu partido, torna uma aliança com os eurofóbicos do partido liberal-democrata muito hipotética.

Se chegar ao poder, o Partido Trabalhista prometeu renegociar o acordo concluído por Boris Johnson e submetê-lo dentro de seis meses após a chegada ao poder a um novo referendo, com outra opção de permanecer na UE.

Nesta campanha, Jeremy Corbyn anunciou que permaneceria "neutro" para curar as fraturas de um país dividido por três anos de crise política. Muitos membros da liderança do partido anunciaram que lutariam pela retenção na União Europeia.

bur-spe/gmo/lch/mr

Notícias