PUBLICIDADE
Topo

Primeiro-ministro de Malta deixa o poder, salpicado por escândalo

10/01/2020 20h15

Valetta, 10 Jan 2020 (AFP) - O primeiro-ministro de Malta, o trabalhista Joseph Muscat, se despediu nesta sexta-feira (10) do poder, em meio a escândalos e a acusações de ter interferido e protegido seus colaboradores no caso do homicídio da jornalista anticorrupção Daphne Caruana Galizia.

Muscat deixa o cargo dias antes das eleições programadas por seu partido para escolher seu sucessor.

O Partido Trabalhista, de centro-esquerda, organizou uma despedida em um palácio esportivo do sul de La Valeta, durante o qual o primeiro-ministro pronunciou um discurso-chave para este pequeno país de meio milhão de habitantes, considerado um verdadeiro paraíso fiscal.

"Lamento o assassinato de Caruana Galizia, uma mãe assassinada pelo que acreditava e pelo que escreveu", disse Muscat em sua despedida.

"Isto também me machucou, e paguei um alto preço para que este caso fosse resolvido sob minha autoridade".

Muscat, de 45 anos, chegou ao poder em 2013 e foi reeleito em junho de 2017, em eleições antecipadas convocadas por acusações de corrupção contra seu entorno, após a publicação dos Panama Papers.

Mas a morte da jornalista, em outubro de 2017, vítima da explosão de um carro-bomba, acabou envolvendo altos funcionários do governo, entre eles o ex-chefe de gabinete de Muscat, o que obrigou o primeiro-ministro a anunciar em dezembro sua demissão em 12 de janeiro, forçado, ainda, por manifestações maciças e diárias.

O crime chocou Malta e causou indignação na Europa e suas autoridades, que condenaram a falta de vontade política para questionar a corrupção na ilha por lavagem de dinheiro em setores com o de jogos e bancário.

Muscat tem sido acusado pela família da jornalista, pela oposição e vários movimentos civis de ter interferido para proteger seu chefe de gabinete, Keith Schembri, amigo de infância e braço direito, que acabou também renunciando ao cargo.

A jornalista tinha denunciado Schembri, que a família da repórter considera o autor intelectual de sua morte, recebeu propinas milionárias por meio de empresas panamenhas, baseando-se na imensa investigação internacional.

Menos de uma hora antes de morrer, Daphne tinha escrito em seu blog, "Running Commentary", que "há delinquentes por todos os lados, a situação é desesperadora" nas altas esferas de Malta.

Graças ao apoio do seu partido e aos bons resultados econômicos (+ 6.6% de crescimento em 2018), Muscat conseguiu permanecer o último mês no cargo e organizar uma saída menos traumática.

Chegou, inclusive, a viajar a Roma para se reunir com o papa Francisco em 7 de dezembro, passou o Natal em Belém com escala em Dubai, acompanhado da família, e comemorou o fim do ano em Londres, onde, segundo veículos de comunicação malteses, consultou um famoso advogado.