PUBLICIDADE
Topo

Austrália: Chuva dá alívio aos bombeiros no combate aos incêndios

11/01/2020 13h37

Os incêndios florestais que estão devastando o sudeste da Austrália estão longe de serem controlados, mas a chuva que chegou neste sábado na região deu trégua aos bombeiros exaustos e aos habitantes locais.

Após uma noite catastrófica na qual vários incêndios se fundiram e ganharam dimensões assustadoras nos estados de Nova Gales do Sul e Victoria, as temperaturas diminuíram e as chuvas trouxeram algum alívio para essas regiões.

"Embora tenha sido uma noite longa e difícil, nesta manhã estamos felizes por não haver perda de vidas ou danos materiais significativos", disse o primeiro-ministro de Nova Gales do Sul, Gladys Berejiklian, a repórteres neste sábado.

Mapa de calor mostra o dia mais quente da história na Austrália (média nacional de 41,9 ºC), registrado em 18 de dezembro - Bureau of Meteorology, Australia/ Reprodução
Mapa de calor mostra o dia mais quente da história na Austrália (média nacional de 41,9 ºC), registrado em 18 de dezembro
Imagem: Bureau of Meteorology, Australia/ Reprodução
Está previsto que essas melhorias nas condições climáticas durem uma semana, o que dará aos bombeiros mais chances de controlar os incêndios.

A temporada de incêndios, particularmente precoce e muito violenta, já causou 26 mortes na Austrália, reduziu a cinzas uma área equivalente a 10 milhões de hectares, uma área semelhante à de Portugal ou Coréia do Sul, e destruiu mais de 2.000 casas.

Especialistas da Universidade de Sydney acreditam que a catástrofe matou um bilhão de animais, número que inclui mamíferos, pássaros e répteis.

Apesar dessas melhores condições, as autoridades alertaram que a temporada de incêndios florestais ainda não acabou.

O chefe dos bombeiros de Towamba, Nathan Barnden, disse à AFP que a chuva é algo "fantástico, mas não é suficiente no momento para acabar com esses incêndios".

"Vamos precisar de" muito mais chuva "para facilitar o combate a incêndios para nós", acrescentou.

No estado de Victoria, o primeiro-ministro Daniel Andrews pediu à população que permaneça vigilante, já que a crise do incêndio - iniciada em setembro - "está longe de terminar".

Um morador local, Mark Bucke, 49 anos, pai de dois filhos, afirmou que os últimos dez dias "foram um inferno, especialmente para as crianças".

"Não tomamos leite ou comemos pão há quatro dias", explicou.

Imagem feita pela NASA via satélite mostra área da Ilha Kangaroo devastação pelo fogo (área marrom) e com focos de incêndio ativos (em vermelho), na Austrália - NASA
Imagem feita pela NASA via satélite mostra área da Ilha Kangaroo devastação pelo fogo (área marrom) e com focos de incêndio ativos (em vermelho), na Austrália
Imagem: NASA
Crise climática

Na sexta-feira, em Sydney e Melbourne, além de outras cidades do país, milhares de pessoas saíram às ruas para exigir que o governo conservador da Austrália fizesse mais para combater as mudanças climáticas globais e reduzir as exportações de carvão.

A Austrália sofreu o ano mais quente e seco em 2019, com a temperatura máxima média mais alta registrada em meados de dezembro, de 41,9 ºC.

Essas condições de seca prolongada, agravadas pelas mudanças climáticas, geraram, segundo especialistas, incêndios mais frequentes e intensos.

"O aquecimento global, causado pelas mudanças climáticas geradas pela atividade humana ... aumentou a frequência e a gravidade de eventos climáticos extremos", disse John Shine, presidente da Academia Australiana de Ciências, em comunicado.

Portanto, o governo de Camberra, capital do país, deve tomar uma ação clara para limitar o aquecimento global, acrescentou Shine.

No entanto, apesar das críticas nacionais e internacionais, o primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, defendeu a política ambiental de seu executivo.

Morrison continua a destacar a importância das exportações de matérias-primas, como carvão, para a economia do país.

Cangurus fogem de incêndio florestal na Austrália

Band Notí­cias

Internacional