PUBLICIDADE
Topo

Secretário de cultura de Bolsonaro exonerado após discurso nazista

17/01/2020 14h08

Brasília, 17 Jan 2020 (AFP) - O secretário de Cultura do governo de Jair Bolsonaro, Roberto Alvim, foi exonerado nesta sexta-feira após o impacto negativo causado por um discurso em que parafraseou o ministro de propaganda nazista Joseph Goebbels.

"Um pronunciamento infeliz, ainda que tenha se desculpado, tornou insustentável a sua permanência", afirmou Bolsonaro em comunicado após a onda de indignação gerada pelas declarações do secretário.

O controverso discurso foi gravado para um vídeo oficial publicado na véspera do lançamento de um novo Prêmio Nacional de Artes.

"A arte brasileira da próxima década será heroica e será nacional. Será dotada de grande capacidade de envolvimento emocional e será igualmente imperativa, posto que profundamente vinculada às aspirações urgentes de nosso povo, ou então não será nada", afirmou Alvim na quinta-feira à noite.

A frase é muito parecida com a de Goebbels - na qual o líder nazista falou de arte "heroica", "nacional" e "imperativa" -, citada no livro "Goebbels: a Biography" (2015), de Peter Longerich.

Alvim disse que foi um "erro involuntário" e que não sabia a origem da sentença.

"No meu pronunciamento, havia uma frase parecida com uma frase de um nazista. Não havia nenhuma menção ao nazismo na frase, e eu não sabia a origem dela. O discurso foi escrito a partir de várias ideias ligadas à arte nacionalista, que me foram trazidas por assessores. Se eu soubesse da origem da frase, jamais a teria dito. ", afirmou.

Do fundo do coração: perdão pelo meu erro involuntário.

"Mas, tendo em vista o imenso mal-estar causado por esse lamentável episódio, coloquei imediatamente meu cargo a disposição do Presidente Jair Bolsonaro, com o objetivo de protegê-lo", acrescentou.

O vídeo gerou a rejeição das mais altas autoridades do país, como os presidentes da Câmara dos Deputados e o Supremo Tribunal Federal (STF) .

A Confederação Israelense do Brasil (Conib), que representa a comunidade judaica, também considerou o discurso "inaceitável" e pediu que o secretário fosse afastado.

"Goebbels foi um dos principais líderes do regime nazista, que empregou a propaganda e a cultura para deturpar corações e mentes dos alemães e dos aliados nazistas a ponto de cometerem o Holocausto, o extermínio de 6 milhões de judeus na Europa, entre tantas outras vítimas", afirma a nota da Conib.

"Reitero nosso repúdio às ideologias totalitárias e genocidas, bem como qualquer tipo de ilação às mesmas. Manifestamos também nosso total e irrestrito apoio à comunidade judaica, da qual somos amigos e compartilhamos valores em comum", disse ainda Bolsonaro, aliado do primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu.

- "Renascimento" da arte -No vídeo que desencadeou a controvérsia, cerca de seis minutos, Alvim anuncia solenemente a criação de um prêmio que destinará 20 milhões de reais para financiar projetos de ópera, teatro, pintura, escultura, literatura, música e quadrinhos.

A iniciativa busca promover o "renascimento da arte e da cultura no Brasil", diz o secretário, que usa como som de fundo a ópera Lohengrin de Richard Wagner (1813-1883), compositor antissemita admirado por Adolf Hitler.

"A pátria, a família, a coragem do povo e sua profunda ligação com Deus amparam nossas ações na criação de políticas públicas. As virtudes da fé, da lealdade, do autossacrificio e da luta contra o mal serão alçadas ao território sagrado das obras de Arte", declarou Alim.

Ao assumir o cargo em novembro passado, Alvim prometeu iniciar uma "guerra cultural" contra o progressismo e alinhar as políticas públicas aos valores conservadores do governo de de Bolsonaro.

Depois de chegar ao poder em janeiro, Bolsonaro transformou o Ministério da Cultura em uma secretária de Estado subordinada ao Ministério da Cidadania e em novembro o transferiu para a órbita do Ministério do Turismo.

mel/js/cn

Notícias