PUBLICIDADE
Topo

Ásia em alerta por novo vírus chinês

21/01/2020 14h25

Pequim, 21 Jan 2020 (AFP) - Vários países da Ásia reforçaram nesta terça-feira os controles sanitários diante da propagação de um misterioso vírus que já deixou seis mortos na cidade chinesa de Wuhan, enquanto a Organização Mundial da Saúde (OMS) prepara uma reunião de emergência.

De Bangcoc a Hong Kong, passando por Singapura e Sydney, as autoridades estabeleceram controles sistemáticos nas chegadas de voos procedentes das zonas de risco, depois que Pequim confirmou a transmissão deste coronavírus entre humanos.

O prefeito da cidade de Wuahn, Zhou Xianwang, confirmou nesta terça-feira o balanço de seis mortos pela doença. No total, 258 pessoas foram contaminadas pelo vírus apenas nesta cidade, das quais 227 continuam em tratamento.

Além disso, 922 pessoas estão em observação por suspeita de infecção por este coronavírus da família da Síndrome Respiratória Aguda Severa (SARS), de acordo com a Comissão Nacional de Saúde Chinesa.

Mais de um mês após seu surgimento em um mercado na cidade de Wuhan (centro), foram relatados casos em três outros países asiáticos: Japão, Coreia do Sul e Tailândia.

Nesta terça, a rede de TV australiana ABC informou que um homem que viajou recentemente para a China estava isolado em sua residência na cidade de Brisbane com sintomas da doença, enquanto os resultados dos testes são aguardados.

As autoridades de Saúde das Filipinas também anunciaram que aguardam os resultados da análise de amostras enviadas para um laboratório na Austrália. Espera-se a confirmação do caso de um menino de 5 anos de idade que chegou ao país procedente da cidade chinesa de Wuhan, epicentro do novo coronavírus. Ele apresenta sintomas da doença.

Nesta terça, Zhong Nanshan, um renomado cientista da Comissão Nacional de Saúde chinesa, anunciou que está confirmado o contágio entre humanos.

A possibilidade de contágio foi mencionada nos últimos dias e a confirmação consolida a crescente preocupação com a disseminação dos casos.

Zhong ajudou a avaliar a magnitude da epidemia de SARS em 2002-2003. Segundo a OMS, de um total de 8.096 casos, 774 morreram em todo mundo, sendo 349 na China continental, e 299, em Hong Kong.

- Crescente preocupação -A rápida disseminação do vírus preocupa as autoridades chinesas, pois coincide com o Ano Novo Lunar. Nesta época, centenas de milhões de pessoas viajam para passar o feriado em família.

Dada a gravidade da situação, a OMS convocou o comitê de emergência para discutir a propagação desse vírus.

O grupo da OMS se reúne em Genebra na quarta-feira (22) para decidir se classifica o surto como "uma emergência de saúde pública de alcance internacional". O alerta é, em geral, deflagrado em caso de epidemias muito graves.

O presidente chinês, Xi Jinping, disse que o novo vírus deve ser "absolutamente detido".

"A segurança da vida das pessoas e sua saúde física devem ser prioridades", declarou à emissora estatal CCTV.

Acredita-se que um mercado de mariscos seja o centro do surto na cidade de Wuhan, mas as autoridades de saúde relataram que também identificaram pacientes sem histórico de contato com esse centro comercial.

Em um artigo publicado na sexta-feira, cientistas do Centro MRC de Análise Global de Doenças Infecciosas do Imperial College de Londres alertaram que o número de casos provavelmente chegará a 1.700, bem acima do número anunciado oficialmente.

O vice-prefeito de Wuhan, Chen Xiexin, disse à CCTV no fim de semana que termômetros infravermelhos foram instalados em aeroportos, estações ferroviárias e rodoviárias em toda cidade.

Chen explicou que os passageiros com febre recebem máscaras e são transferidos para instituições médicas.

Segundo a CCTV, cerca de 300.000 testes de temperatura corporal já foram realizados.

Na Coreia do Sul, o Centro Coreano de Controle e Prevenção de Doenças (KCDC) informou na segunda-feira (20) que uma mulher chinesa de Wuhan, de 35 anos, testou positivo para o novo coronavírus.

Essa mulher já teria ido a um hospital em Wuhan com sintomas semelhantes a um resfriado. Depois de receber medicação, embarcou em um avião para a cidade de Seul, onde aterrissou no aeroporto de Incheon. Foi imediatamente colocada em quarentena.

As autoridades de Hong Kong adotaram medidas de detecção, incluindo rigorosos pontos de controle de temperatura para viajantes que chegam da China continental.

Já os Estados Unidos anunciaram na sexta-feira que vão monitorar os voos diretos que chegam de Wuhan aos aeroportos de São Francisco e ao JFK, de Nova York.

Enquanto isso, a Tailândia informou que já está checando os passageiros que desembarcam em Bangcoc, Chiang Mai e Phuket e que, em breve, introduzirá controles semelhantes em Krabi.

A vigilância também foi reforçada nos aeroportos da Austrália, Bangladesh, Nepal, Singapura, Malásia, Vietnã e Índia.

bur-lth/je/ahg/af/zm/mr/tt

Notícias