PUBLICIDADE
Topo

ONU pede cessar-fogo na Líbia

21/01/2020 22h16

Nações Unidas, Estados Unidos, 22 Jan 2020 (AFP) - O Conselho de Segurança das Nações Unidas exortou nesta terça-feira as partes em conflito na Líbia a acertar, "o mais cedo possível", um cessar-fogo para que se possa retomar o caminho político em busca de uma saída para o conflito no país africano.

Os membros do Conselho de Segurança pediram às partes que se "envolvam de maneira construtiva na comissão militar conhecida como 5+5 para acertar um cessar-fogo o mais cedo possível", segundo declaração publicada após reunião sobre os resultados da cúpula sobre a Líbia celebrada no domingo, em Berlim.

Esta comissão, que se reunirá em breve, é composta por cinco oficiais de Khalifa Haftar, o homem forte do leste da Líbia, e cinco representantes do Governo de União Nacional (GNA), de Fayez al Sarraj, baseado em Trípoli e reconhecido pelas Nações Unidas.

O objetivo da comissão é definir os mecanismos para a aplicação de um acordo de cessar-fogo, após a trégua acertada entre as partes em 12 de janeiro.

Os membros do Conselho de Segurança também destacam em sua declaração o resultado da Conferência de Berlim.

Ao final da Conferência, os principais países envolvidos no conflito prometerem parar de interferir nos assuntos da Líbia e a respeitar o embargo de armas imposto desde 2011.

Segundo os diplomatas, o Conselho de Segurança deve iniciar nos próximos dias o debate sobre um projeto de resolução sobre a Líbia.

Durante a reunião do Conselho, a Rússia pediu que o projeto se concentre nos resultados da reunião de Berlim, sem proporcionar nesta fase um mecanismo para supervisionar um possível acordo de cessar-fogo, segundo um diplomata.

Desde a retomada dos enfrentamentos entre grupos rivais, em abril de 2019, mais de 280 civis e 2.000 combatentes foram mortos e, segundo a ONU, mais de 170.000 habitantes foram deslocados.

Em geral, o país está mergulhado no caos e castigado pela violência e pelas disputas de poder desde a queda do regime de Muammar Kadhafi, em 2011.

prh/cjc/lr

Notícias