PUBLICIDADE
Topo

Para Transparência Internacional, governo Bolsonaro interfere no combate à corrupção

15.jan.2020 - Jair Bolsonaro fala a jornalistas diante do Palácio da Alvorada, em Brasília - Gabriela Biló/Estadão Conteúdo
15.jan.2020 - Jair Bolsonaro fala a jornalistas diante do Palácio da Alvorada, em Brasília Imagem: Gabriela Biló/Estadão Conteúdo

Berlim

23/01/2020 10h56

A ONG Transparência Internacional denunciou que o Brasil é vítima de "ingerência" por parte do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) nos órgãos anticorrupção, conforme afirma em seu relatório anual publicado hoje.

Bolsonaro colocou durante sua campanha, em 2018, a luta contra a corrupção no centro de seu programa, mas o Brasil - lamenta a ONG - sofreu neste campo "uma série de contratempos legais e institucionais".

A ONG denunciou uma "crescente interferência política nas instituições anticorrupção por parte do presidente Bolsonaro".

Também lamentou as decisões do Supremo Tribunal Federal (STF) que complicam a luta contra a corrupção, como a anulação das delações premiadas.

"A corrupção continua sendo um dos maiores obstáculos ao crescimento econômico e desenvolvimento social no Brasil", afirmou a TI em seu relatório anual.

A Transparência Internacional classifica 180 países a cada ano de acordo com o nível de corrupção percebido no setor público.

A classificação é liderada, como nos anos anteriores, pelos países nórdicos como os menos corruptos, com a Dinamarca em primeiro lugar e a Nova Zelândia em segundo.

A Somália permanece na extremidade inferior, atrás do Iêmen, Síria e Sudão do Sul.

A ONG destaca a situação em Malta, marcada pelo assassinato em 2017 da jornalista Daphne Caruana Galizia, e indica que a ilha está "atolada em corrupção".

"Vários escândalos vinculados aos Panama Papers também contribuem para o declínio de Malta na classificação", explica a TI.

O ONG enfatiza, porém, que em Angola, que saiu de quatro décadas de ditadura, a luta contra a corrupção apresenta efeitos.

A TI comemorou particularmente a demissão de Isabel dos Santos da companhia nacional de petróleo Sonangol.

Dos Santos, que foi proclamada a mulher mais rica da África pela revista americana Forbes em 2013, foi acusada segunda-feira (20) pelo Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ) de desviar centenas de milhões de dólares em dinheiro público para contas pessoais.

Política