PUBLICIDADE
Topo

Policial é acusado por dano ocular a manifestante em protestos no Chile

24/01/2020 18h41

Santiago, 24 Jan 2020 (AFP) - O agente do grupo de choque do corpo de Carabineros é o primeiro policial acusado pelo Ministério Público do Chile de causar danos oculares a um manifestante durante protestos, em meio a uma crise social que soma mais de 400 lesões desse tipo.

Pablo Carvajal se apresentou perante um tribunal em Santiago, onde foi acusado de "restrições ilegítimas" por ter atirado em um jovem a uma distância de dois a cinco metros, "um tiro de esferas de chumbo na órbita do olho esquerdo" causando "danos oculares dos quais não há perda de visão, até então", disse Ximena Chong, promotora-chefe da Unidade de Alta Complexidade da área central norte de Santiago.

O tribunal aplicou à polícia as medidas cautelares que proíbem a saída do país e de se aproximar da vítima.

Esse caso ocorreu em 28 de outubro - 10 dias após o início do pior conflito social do Chile desde o retorno à democracia, em 1990 -, quando o jovem lançou "um objeto contundente" contra um veículo da polícia enquanto participava de um protesto no país no centro de Santiago. Na sequência, ele foi baleado por uma arma antidistúrbios "não letal" a uma distância de dois a cinco metros, explicou Chong.

"Em um contexto em que a vítima estava ferida, com o rosto sangrando, ela recebe um segundo tiro, gerando duas lesões nas costas e nas nádegas", enquanto era preso, acrescentou.

Mais de 400 pessoas sofreram ferimentos nos olhos durante os confrontos entre manifestantes e polícia. Pelo menos duas ficaram completamente cegas.

Um mês após o início da crise, a Polícia do Chile decidiu suspender o uso de espingardas como uma ferramenta antidistúrbio. Elas só são usadas quando seus funcionários ou um civil estão em perigo extremo.

Chong disse que o caso deste jovem "implica um tratamento cruel e degradante que não pode ser sujeito a uma pessoa no contexto do controle da ordem pública ou no contexto do cumprimento da função policial".

Durante os mais de três meses de surto social, 29 pessoas morreram e milhares ficaram feridas em manifestações em todo o Chile. Os protestos reivindicam reformas à Constituição herdada da ditadura de Augusto Pinochet, medidas para reduzir a desigualdade social e mudanças no sistema previdenciário e no modelo econômico tradicional chileno que, apesar de seu desenvolvimento, não contempla amplamente o bem-estar social.

msa/gfe/llu/ll

Notícias