PUBLICIDADE
Topo

Quase metade do mundo confinado para conter a expansão da pandemia

28/03/2020 10h18

Roma, 28 Mar 2020 (AFP) - Mais de três bilhões de pessoas em todos os continentes estão confinadas neste sábado em um mundo abalado e assustado com o avanço de uma pandemia que já provocou mais de 27.000 mortes, com números dramáticos na Espanha e Itália, enquanto a China tenta retomar a vida paulatinamente.

Itália e Espanha são os países com os maiores balanços de vítimas fatais.

Na Itália, a COVID-19 matou quase 1.000 pessoas em 24 horas, o maior número para apenas um dia no país desde o início da pandemia. O total de óbitos alcança 9.134.

Na Espanha, o ministério da Saúde também anunciou números desoladores neste sábado: 832 falecidos em 24 horas e um balanço total que já supera 5.000 mortos.

A região mais afetada é Madri, com 2.757 mortos, quase metade do total. A partir de segunda-feira a cidade habilitará um segundo necrotério em uma instalação pública que estava abandonada. O governo local já havia instalado um necrotério em uma pista de patinação no gelo em um centro comercial.

Além disso, o exército e as autoridades locais criaram um hospital de campanha com capacidade máxima para 5.500 leitos em um centro de convenções da capital espanhola.

De acordo com um balanço da AFP com base em dados oficiais, o mundo superou 600.000 casos registrados do novo coronavírus.

Os Estados Unidos viraram o país com o maior número de casos, com mais de 100.000 infectados e 1.693 mortos. A situação levou o presidente Donald Trump a ordenar por decreto que a montadora General Motors passe a fabricar respiradores artificiais, que estão praticamente esgotados nos hospitais e são vitais para os pacientes.

"Estão racionando os equipamentos", afirmou Diana Torres, 33 anos, enfermeira em um hospital de Nova York, principal foco da epidemia nos Estados Unidos.

"Temos que colocar um saco plástico sobre a roupa de proteção com a qual trabalhamos para que dure mais tempo", explicou.

O diretor geral da Organização Mundial da Saúde (OMS) destacou que "a escassez crônica mundial de equipamentos de proteção individuais" para os trabalhadores da saúde representa uma "ameaça iminente" na luta contra a doença.

"Há muito desabastecimento de tudo e precisamos de muito trabalho para conseguir coisas simples como luvas, termômetros, paracetamol ou gel", afirmou à AFP Toni Dovale, jogador de futebol espanhol e farmacêutico, que trocou a bola pelo jaleco branco para lutar contra o avanço da pandemia.

- Trem para em Wuhan -Na China, a cidade de Wuhan, onde o patógeno foi detectado em dezembro, sai aos poucos do confinamento.

Neste sábado, um trem parou em Wuhan pela primeira vez desde o início da pandemia. Até agora, ninguém estava autorizado a entrar na cidade, com exceção de profissionais da saúde e trabalhadores responsáveis pelo transporte de produtos de primeira necessidade.

"Minha filha e eu ficamos emocionadas quando o trem se aproximou de Wuhan", disse uma mulher de 36 anos, que preferiu não revelar o nome.

Devido ao confinamento, ela não via o marido há 10 semanas. Uma eternidade para sua filha. "Ao vê-lo, ela correu para o pai e eu não consegui evitar o choro", afirmou à AFP.

As pessoas que desejam entrar na cidade são cuidadosamente examinadas: medição de temperatura, controle de identidade e perguntas sobre os deslocamentos anteriores.

Na França, o quinto país em número de mortos, o governo prolongou o confinamento por mais duas semanas, até 15 de abril, e avisou que os "próximos dias serão difíceis".

Neste sábado, pacientes da região leste do país, especialmente afetada pelo coronavírus, foram transferidos para a Alemanha em helicópteros militares.

O Reino Unido, onde o primeiro-ministro Boris Johnson anunciou que foi infectado, mas com sintomas leves, se prepara para uma onda gigantesca de pacientes nos hospitais.

A Rússia, último país importante que não havia adotado medidas de confinamento generalizado, decidiu fechar a partir deste sábado os restaurantes e a maior parte do comércio, antes de uma semana de recesso. Desta maneira, as autoridades esperam que os russos permaneçam em casa, apesar da ausência de um decreto.

- Justiça contradiz Bolsonaro -Em algumas regiões do mundo, o confinamento é viável, mas em outras é materialmente impossível.

Em Johannesburgo, capital da África do Sul, a polícia usou bala de borracha para dispersar centenas de pessoas aglomeradas diante de um mercado e que ignoravam o decreto de confinamento.

O fervor religioso tampouco ajuda o confinamento. No Brasil, a justiça anulou o decreto do presidente Jair Bolsonaro que excluía as igrejas, os templos religiosos e as lotéricas das quarentenas impostas em vários estados para frear a epidemia de coronavírus.

O presidente de extrema-direita minimiza a gravidade da pandemia, que chama de "gripezinha", e iniciou uma campanha contra as medidas de confinamento decretadas em vários estados, como Rio de Janeiro e São Paulo.

Em países muçulmanos, como Paquistão e Indonésia, também é difícil impedir que os fiéis compareçam às mesquitas.

As imagens contrastam com a fotografia, quase onírica, do papa Francisco rezando e abençoando o mundo diante da praça de São Pedro completamente deserta na sexta-feira à noite.

Na América Latina, com mais de 11.000 casos confirmados e 232 mortos, muitos países intensificaram as restrições de movimento.

Ordens de confinamento obrigatório foram divulgadas na Argentina, Bolívia, Venezuela, Colômbia, Panamá e El Salvador e toques de recolher prolongados no Chile, Honduras, Peru e Guatemala, além de fechamentos de fronteiras quase generalizados.

A Nicarágua é uma exceção: a população reclama da inação das autoridades e optou pelo auto-confinamento. Os cidadãos desconfiam que o governo, que confirmou apenas quatro casos da doença, está escondendo informações.

- Sem abraços -O confinamento também tem um impacto psicológico, aumenta a depressão, a ansiedade e outros problemas de saúde mental, segundo a Cruz Vermelha. "Até em zonas de conflito podemos nos abraçar quando temos medo. O terrível desta situação é a falta de contato físico", afirmou um diretor da organização.

"O mais duro era durante a noite, não podia dormir, a angústia invadia o quarto. Durante o dia, passavam os médicos, os funcionários da limpeza, os que traziam a comida. À noite chegavam os pesadelos, a morte espreitava", declarou Fabio Biferali, um cardiologista de 65 anos, de Roma, que passou oito dias "isolado do mundo" em uma UTI.

A catástrofe sanitária está acompanhada de outra, a econômica. Diante do desastre que se aproxima, a comunidade internacional mobiliza quantias astronômicas.

Os países do G20 prometeram injetar cinco trilhões de dólares para apoiar a economia mundial. Os Estados Unidos aprovaram um plano de mais de dois trilhões de dólares para salvar sua economia. A Europa prometeu em duas semanas "medidas fortes", uma demora que decepciona e irrita Espanha e Itália.

"Queremos estar à altura deste desafio? Então apresentemos um grande plano que apoie e recupere a economia europeia em sua totalidade", pediu neste sábado o primeiro-ministro italiano Giuseppe Conte.

burs-bl/pc/fp

Notícias