PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

China celebra 'sucessos' na luta contra pandemia, mas alerta para imensos desafios

Teste de coronavírus em massa em uma grande fábrica em Wuhan, na província de Hubei, na China - Feature China / Barcroft Media via Getty Images
Teste de coronavírus em massa em uma grande fábrica em Wuhan, na província de Hubei, na China Imagem: Feature China / Barcroft Media via Getty Images

22/05/2020 10h33

A China enfrenta desafios econômicos "imensos" em decorrência da pandemia de coronavírus - alertou hoje o primeiro-ministro Li Keqiang ao abrir a sessão legislativa anual, que também vai procurar fortalecer o controle de Pequim sobre Hong Kong.

"Alcançamos importantes conquistas estratégicas em nossa resposta à covid-19", disse Li aos 3.000 delegados que usavam máscaras no Grande Salão do Povo, em Pequim.

"A epidemia ainda não chegou ao fim, e as tarefas que enfrentamos na promoção do desenvolvimento são imensas", disse ele, acrescentando que o governo chinês deve "redobrar" seus esforços "para minimizar as perdas resultantes do vírus".

O primeiro-ministro destacou a "grande incerteza" à frente e anunciou a rara decisão de se abster de comunicar uma meta de crescimento para 2020.

Li se limitou a dizer que Pequim "dará prioridade à estabilização do emprego e à garantia dos padrões de vida".

A China ainda se recupera da covid-19, que apareceu pela primeira vez na cidade de Wuhan no final do ano passado e se espalhou por todo mundo, provocando acusações de que Pequim não administrou de forma adequada sua resposta inicial, em um cenário de quase 330.000 mortes e de paralisia econômica global.

A pandemia também provocou um aumento das tensões entre Washington e Pequim, a tal ponto que o presidente americano, Donald Trump, disse esta semana que Pequim era responsável por um "massacre mundial".

O discurso de Li foi acompanhado de perto por pistas sobre as prioridades políticas, econômicas e sociais do partido comunista, especialmente em relação ao território semiautônomo de Hong Kong.

A China também anunciou uma ligeira desaceleração nos gastos militares até 2020, que aumenta 6,6% e permanece atrás dos Estados Unidos.

A sessão anual do Parlamento foi marcada este ano por medidas estritas contra o coronavírus, como a obrigação de usar máscara.

Para evitar o contágio entre a elite política, os delegados provinciais tiveram de ficar em quarentena por vários dias. Alguns tiveram de realizar testes quando chegaram a Pequim.

"Cada um come em uma mesa separada dos demais", segundo o jornal em inglês "Global Times".

Hong Kong

O presidente do Parlamento, Zhang Yesui, disse na noite de quinta-feira que a Câmara consideraria uma proposta de legislação de segurança em Hong Kong, que foi imediatamente denunciada pelos Estados Unidos e por figuras políticas do centro financeiro, que a classificaram de sentença de morte para as liberdades únicas do território.

Os detalhes da proposta ainda são desconhecidos, mas a China deixou claro que quer que o projeto de lei seja aprovado o mais rápido possível. Hong Kong viveu sete meses de protestos pró-democracia em massa e às vezes violentos no ano passado.

Em seu discurso, Li disse que o governo "vai estabelecer e melhorar os sistemas e mecanismos legais para salvaguardar a segurança nacional" em Hong Kong.

Uma tentativa de promulgar essa legislação em 2003 foi arquivada depois que meio milhão de pessoas protestaram nas ruas.

A controversa iniciativa voltou a ser discutida nos últimos anos, porém, à medida que o movimento pró-democracia ganhou peso.

"Este é o fim de Hong Kong, o fim de 'um país, dois sistemas', não se enganem", reagiu Dennis Kwok, deputado do Partido Cívico.

O princípio "um país, dois sistemas" confere à China o poder político final sobre Hong Kong, mas permite que a ex-colônia britânica retenha liberdades inexistentes no restante do continente.

Trump prometeu responder "com muita força" quando os detalhes forem divulgados, e os senadores americanos apresentaram um projeto para impor sanções a qualquer entidade envolvida em limitar a autonomia de Hong Kong.

Incerteza econômica

O crescimento econômico da China caiu 6,8% no primeiro trimestre, devido ao novo coronavírus, a primeira contração econômica em décadas.

Esperava-se que Li anunciasse uma meta de crescimento para 2020 de cerca de 6%. A pandemia anulou essas expectativas, deixando milhões de chineses desempregados e colocando inúmeras empresas em risco.

Li também anunciou que o déficit fiscal da China deve exceder 3,6% do Produto Interno Bruto (PIB) este ano, com o déficit aumentando em um trilhão de iuanes (cerca de US$ 140 bilhões) em comparação ao ano passado.

Títulos no valor de mais um trilhão de iuanes também serão emitidos, acrescentou a autoridade, que disse que são "medidas extraordinárias para um momento incomum".

Os dois trilhões de iuanes serão transferidos inteiramente para os governos locais, e os fundos serão usados principalmente para garantir emprego, atender às necessidades básicas de vida e proteger as entidades do mercado, disse Li.

Em comunicado divulgado após o discurso, o governo anunciou que aumentaria seu orçamento militar em 6,6% em 2020. O orçamento era de US$ 178 bilhões, o segundo maior do mundo depois dos Estados Unidos.

Isso representa uma desaceleração em relação à tendência dos últimos anos. Em 2019, esse orçamento havia crescido 7,5%.

Esta sessão de abertura foi adiada por mais de dois meses, enquanto a China lutava com o surto de coronavírus, no primeiro adiamento desde a Revolução Cultural de 1966-76, e foi cortada pela metade das duas semanas habituais.

A sessão desta sexta começou com um minuto de silêncio em homenagem às vítimas do coronavírus no país.

Coronavírus