PUBLICIDADE
Topo

ONU pede 'vacina para o povo', enquanto Brasil bate recorde de mortos por coronavírus

05/06/2020 00h24

Rio de Janeiro, 5 Jun 2020 (AFP) - Para encerrar a pandemia de coronavírus, é necessária uma "vacina para o povo", declarou o secretário-geral da ONU, António Guterres, nesta quinta-feira (4), enquanto o Brasil superou a Itália como o terceiro país com mais mortes por COVID-19 no mundo.

A América Latina sofre com o flagelo da pandemia, onde existem cerca de 1,2 milhão de casos e 60.000 mortes.

No Brasil, 1.473 pessoas morreram em 24 horas, terceiro recorde consecutivo do país, que totalizou 34.021 óbitos na pandemia, superando a Itália, um dos países mais atingidos pelo coronavírus (com mais de 33.000 mortos).

"Nada indica que a curva [de mortalidade] diminuirá" no curto prazo no Brasil, disse o presidente da Federação Internacional de Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho (FICV), Francesco Roca, em declarações à AFP.

Na região da Bahia (nordeste), um toque de recolher noturno está em vigor desde quarta-feira em 19 municípios do sul do estado para impedir a propagação.

Diante do avanço da pandemia, as Nações Unidas e a Organização de Estados Americanos alertaram para o "grave risco" em que estão os indígenas da Amazônia, lar de 420 povos originários, 60 deles em isolamento voluntário.

O Brasil ficou atrás apenas dos Estados Unidos, que nesta quinta-feira reportou 1.021 mortes e soma um total de 108.000 óbitos desde que a pandemia começou, destacando-se com folga como o país mais afetado em termos absolutos no que se refere a número de mortes e casos de contágio.

O México, por sua vez, que na quarta-feira tinha passado de mil mortes pela primeira vez em um dia, registrou nesta quinta 816 óbitos (totalizando 12.545) pela COVID-19 e o máximo de contágios diários pelo segundo dia consecutivo, com 4.442 novos casos confirmados, elevando o total a 105.680.

A situação se agrava neste país exatamente na semana em que o governo estava se preparando para reativar sua vida econômica e social após mais de dois meses de confinamento.

O Peru superou os 5.000 óbitos pelo coronavírus, que já causa estragos nas fileiras da Polícia, no pessoal médico e entre jornalistas. O país, que registrou 137 mortos em 24 horas (5.031 no total), anunciou que importará oxigênio para uso medicinal em pacientes hospitalizados, dada a escassez existente, e o declarará "um ativo estratégico".

- Vacina para o povo -Sem que a crise da saúde esteja encerrada, o mundo inteiro já sofre as consequências econômicas enquanto instituições e governos multiplicam medidas para combater o desastre.

A economia da zona do euro entrará em colapso 8,7% este ano, alertou o Banco Central Europeu, anunciando que dobrará seus programas de ajuda, como a compra de dívida, até pelo menos o ano que vem.

Ao mesmo tempo, governos e organizações como o Unicef se reuniram em Londres para arrecadar fundos para a vacinação geral de 300 milhões de crianças, uma das faixas mais afetadas pela pandemia, pelo fechamento de escolas ou pela falta de cuidados de saúde elementares.

O secretário-geral da ONU aproveitou a oportunidade para afirmar que "uma vacina contra a COVID-19 deve ser vista como um bem público global, uma vacina para o povo".

Uma verdadeira corrida para alcançar o remédio contra o COVID-19 foi desencadeada entre as principais potências mundiais, laboratórios e multinacionais.

Na reunião de Londres, esses atores se comprometeram a reservar US$ 567 milhões para comprar e distribuir a vacina possível, se houver, principalmente para os países em desenvolvimento.

"Quando tomamos uma vacina, queremos desenvolver imunidade coletiva" e, para isso, devemos garantir que ela seja administrada a "mais de 80% da população mundial", disse à BBC o magnata e filantropo americano Bill Gates.

Enquanto se aguarda um remédio, continuam as discussões sobre medicamentos que já estão no mercado, como a hidroxicloroquina, usada por décadas para outros fins e que alguns médicos prescrevem para aliviar os efeitos do COVID-19.

A hidroxicloroquina foi desqualificada em um grande estudo mundial com dados de dezenas de milhares de pacientes. No entanto, três dos quatro autores do relatório se retrataram nesta quinta-feira na revista que publicou o relatório, a British Lancet, porque reconheceram que não tinham acesso aos dados primários.

- Vislumbres de normalidade -Depois de meses de devastação, os países europeus, por sua vez, estão tentando retornar a uma certa normalidade.

Com o turismo na mira, a Áustria reabriu suas fronteiras nesta quinta-feira, exceto com a Itália. A Alemanha encerrará as restrições ao turismo na Europa a partir de 15 de junho.

A cidade espanhola de Sevilha optou pelo recolhimento, com uma missa pelas mais de 27.000 mortes por coronavírus, realizadas na catedral, com o público reduzido devido a medidas de segurança sanitária.

"É um ato solene que expressa um pouco a dor não só de Sevilha, mas da Espanha e do mundo", disse à AFP José Carlos Carmona, diretor da Orquestra Sinfônica Hispalense e do Coro.

burs-jz/ltl/cc

Notícias