PUBLICIDADE
Topo

'Partiu Fiji!': arquipélago se declara livre do coronavírus

Impressão 3D de particula do novo coronavírus -
Impressão 3D de particula do novo coronavírus

05/06/2020 00h44

Suva, Fiji, 5 Jun 2020 (AFP) - O arquipélago de Fiji anunciou nesta sexta-feira (5) que está livre da covid-19, depois que a última pessoa com contágio conhecido foi liberada, reforçando o notável registro do Estado insular no enfrentamento da pandemia do novo coronavírus.

Em meados de março, o pânico tomou conta da população das ilhas, de 930 mil habitantes, quando foi anunciado o primeiro caso da doença, mas medidas estritas de isolamento e controles de fronteira mantiveram sob controle as infecções, que chegaram a 18 casos confirmados.

O primeiro-ministro Frank Bainimarama atribuiu o status livre de covid-19 das ilhas a "preces atendidas, trabalho duro e afirmação da ciência".

"Fiji zerou o último paciente ativo com covid-19", tuitou.

"E mesmo com o aumento diário de nossas testagens, agora faz 45 dias que registramos nosso último caso. Sem nenhum óbito, nossa taxa de recuperação é de 100%", acrescentou.

As ilhas do Pacífico foram inicialmente consideradas como os territórios mais vulneráveis do mundo ao coronavírus, por causa da infraestrutura sanitária com poucos recursos e altas taxas de comorbidades, como diabetes e doenças cardíacas.

Também havia o temor de que o isolamento geográfico poderia transformar as ilhas em incubadoras da infecção, como aconteceu no ano passado, quando uma epidemia de sarampo matou 83 pessoas em Samoa, a maioria bebês e crianças pequenas.

No entanto, países da região agiram rapidamente e tomaram a decisão custosa de fechar as fronteiras e suspender o comércio turístico que sustenta suas economias a fim de proteger suas populações.

Como resultado, muitos não registraram um único caso do coronavírus, incluindo Palau, Tonga, Ilhas Salomão, Samoa, Ilhas Marshall, Vanuatu, Ilhas Cook e Micronésia.

Fiji já expressou o interesse de se somar à "bolha" de destinos de viagens livres de quarentena, com a Austrália e a Nova Zelândia, dois países que também conseguiram conter o vírus e são muito procurados por turistas que buscam cenários tropicais paradisíacos.

As Ilhas Cooks, um dos primeiros países do mundo a se declarar livre do vírus em meados de abril, anunciou medidas para reabrir cuidadosamente suas fronteiras.

O primeiro-ministro, Henry Puna, disse que cidadãos e pessoas com vistos de trabalho que estiveram na Nova Zelândia por 30 dias poderão em breve voltar para casa sem precisar passar pela quarentena, noticiou o Cook Islands News.

O jornal reportou ainda que a medida foi "o primeiro passo para trazer os turistas de volta".

str-ns/dm/jah/mvv

Notícias