PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Toque de recolher por coronavírus na Sérvia termina em violentas manifestações

Irritados com novo confinamento, manifestantes tinham como alvo o presidente Aleksandar Vucic - ANDREJ ISAKOVIC / AFP
Irritados com novo confinamento, manifestantes tinham como alvo o presidente Aleksandar Vucic Imagem: ANDREJ ISAKOVIC / AFP

08/07/2020 12h39

Dezenas de policiais e manifestantes ficaram feridos, e cerca de 20 pessoas foram presas na madrugada de hoje em Belgrado, durante manifestações contra o toque de recolher imposto pela covid-19, as quais terminaram em violência.

Irritados com o anúncio do presidente sérvio, Aleksandar Vucic, de teriam de retomar o confinamento no fim de semana, milhares de manifestantes saíram às ruas na noite de terça-feira.

No início, a manifestação ocorreu sem problemas, mas acabou em uma verdadeira batalha entre policiais e manifestantes.

Os agentes lançaram gás lacrimogêneo para dispersar a multidão, que respondeu com pedras e outros projéteis.

Um grupo de manifestantes conseguiu invadir o Parlamento, mas foram despejados. O presidente Vucic era o alvo da ira da multidão.

Os críticos do presidente o acusam de ter facilitado uma segunda onda da epidemia, ao suspender muito rapidamente o confinamento para a realização das eleições, em 21 de junho. A legenda de Vucic, o Partido de Progresso da Sérvia (SNS, de centro direita), saiu amplamente vitoriosa das urnas.

"É por sua causa, pai, porque eu sei que você ficaria orgulhoso", diz um manifestante, diante das câmeras do canal regional N1, com a voz embargada, acrescentando que seu pai morreu por falta de "respiradores suficientes" no hospital.

As autoridades policiais foram acusadas de violência, depois que a emissora N1 transmitiu imagens de agressões, nas quais agentes do Batalhão de Choque aparecem espancando com cassetetes três jovens sentados em um banco perto do Parlamento.

"A violenta dispersão de manifestantes pela polícia ontem em Belgrado suscita sérias preocupações sobre (respeito aos) direitos humanos", disse a a comissária responsável por essa área no Conselho da Europa, Dunja Mijatovic.

Coronavírus