PUBLICIDADE
Topo

Trump recebe presidente mexicano em meio a críticas

08/07/2020 15h20

Washington, 8 Jul 2020 (AFP) - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, recebe nesta quarta-feira (8), na Casa Branca, seu colega do México, Andrés Manuel López Obrador, em meio a críticas nestes dois países, castigados pela pandemia de coronavírus.

"Será uma grande reunião. É um bom homem. É amigo meu. E temos uma grande relação com o México", disse Trump horas antes do encontro.

AMLO, como o presidente mexicano é conhecido por suas iniciais, também se mostrou entusiasmado com sua primeira viagem ao exterior em 18 meses de governo.

"Quero manter uma boa amizade com os Estados Unidos. Isso é o que nos convém", afirmou.

Parece, então, que ficaram para trás as duras falas de ambos em suas respectivas campanhas eleitorais.

Em 2016, o republicano Trump chamou os mexicanos de "estupradores" e "criminosos" e prometeu erguer um muro para impedir sua entrada nos EUA. Em 2017, em seu livro "Oye, Trump", o esquerdista López Obrador considerou uma "canalhice" a retórica anti-imigrante do vizinho americano, a qual comparou à de Adolf Hitler.

Agora, ambos querem celebrar a entrada em vigor, há uma semana, do T-MEC (ou USMCA, na sigla em inglês), a nova versão do Nafta, de 1994. Para Trump, é uma promessa eleitoral cumprida; para AMLO, uma aposta para estimular a economia mexicana em recessão.

"Diria que esta relação bilateral é a mais forte entre Estados Unidos e México", disse ontem à imprensa um funcionário do alto escalão do governo Trump, que considerou "significativo" que AMLO pretenda depositar flores nos monumentos de Abraham Lincoln e de Benito Juárez - dois presidentes que mantiveram "uma relação forte e muito respeitosa" no século XIX.

- Visita polêmica - A visita oficial, que incluirá uma reunião no Salão Oval, um encontro ampliado entre ambas as comitivas e um jantar com alguns dos mais poderosos empresários do México - entre eles Carlos Slim, o homem mais rico do país -, gerou polêmica.

"O momento da visita não é muito feliz, tanto pela pandemia - os casos estão em aumento em ambos os países -, quanto pelas eleições nos Estados Unidos, para as quais faltam apenas quatro meses", disse à AFP o presidente do "think tank" Inter-American Dialogue, Michael Shifter, que fica em Washington.

Com mais de 131 mil mortos, 3 milhões de casos e recordes diários de novas infecções, os Estados Unidos são o país mais afetado do mundo pela pandemia. AMLO também lida com o novo coronavírus no México, quinto país em número de vítimas fatais (mais de 31.000).

Trump, que busca a reeleição em novembro, aparece nas pesquisas nove pontos atrás do rival, o democrata Joe Biden, com quem AMLO anunciou que não irá se reunir. Para muitos, seu encontro com Trump representa um apoio eleitoral ao magnata republicano, como afirmou esta semana o ex-chanceler mexicano Jorge Castañeda (2000-2003). Ele considerou "desnecessária e com muitos riscos" a visita de López Obrador aos EUA neste momento.

Membros hispânicos do Congresso americano denunciaram que o encontro busca apenas "desviar a atenção do novo coronavírus" e esconder a "incapacidade" de Trump de combater a pandemia.

- 'Discussão completa e integral' -

"Estou muito seguro de que a discussão será completa e integral", inclusive sobre a Venezuela, disse o chefe da diplomacia americana, Mike Pompeo. Na semana passada, ele revelou esperar que a visita de AMLO impulsione o México a "fazer mais" pela democracia na Venezuela. Sob o mandato de AMLO, porém, o México insiste em que não irá interferir em assuntos internos de outros países.

Ambas as partes afirmaram que o foco está no comércio. Mas a festa pelo T-MEC foi aguada pela ausência do Canadá, cujo premier, Justin Trudeau, recusou-se a viajar para brindar, após rumores de possíveis sanções americanas ao alumínio canadense.

O tema migratório certamente estará sobre a mesa. "Precisamos dessa aproximação com Trump, porque nós, migrantes, necessitamos de representação", disse à AFP Maria Varela, 40, apoiadora de AMLO, que viajou de Nova York e estava entre dezenas de pessoas reunidas em frente à Casa Branca agitando bandeiras mexicanas.

ad/lda/tt/lb