PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Trump evita elogiar John Lewis, ativista dos direitos civis morto em julho

"Ele escolheu não comparecer à minha cerimônia de posse", afirmou o presidente norte-americano - Carlos Barria/Reuters
"Ele escolheu não comparecer à minha cerimônia de posse", afirmou o presidente norte-americano Imagem: Carlos Barria/Reuters

04/08/2020 11h31

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou que não sabe como a história vai recordar o falecido líder dos direitos civis John Lewis e disse que "ele escolheu não comparecer à minha cerimônia de posse".

John Lewis, amigo de Martin Luther King e pilar dos congressistas democratas, morreu no dia 17 de julho, aos 80 anos.

Lewis recebeu várias homenagens em todo país, especialmente no Capitólio, onde foi objeto das honras reservadas às maiores figuras dos Estados Unidos.

Personalidades de todo espectro político elogiaram o ativista e prestaram tributo a sua memória.

Ao ser entrevistado na segunda-feira pelo site Axios e questionado sobre como acredita que a história se recordará de John Lewis, Trump se limitou a responder: "Não sei, eu realmente não sei".

"Não conheço John Lewis. Ele escolheu não vir à minha cerimônia de posse", completou.

John Lewis enfrentou Trump em várias ocasiões. Além de boicotar a cerimônia de posse, o ex-congressista denunciou a interferência russa nas eleições presidenciais de 2016 e advertiu que a democracia americana estava em perigo.

Então, o jornalista Jonathan Swan fez a pergunta sobre Lewis de outra maneira: "Você o considera impressionante?".

"Não posso dizer que sim, ou que não. Eu acho muitas pessoas impressionantes, acho muitas pessoas não impressionantes", respondeu o presidente.

"Ele não veio à minha posse, não compareceu aos meus discursos do Estado da União - e tudo bem, é seu direito",insistiu.

Internacional