PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Coronavírus: Xerife da Flórida proíbe policiais de usarem máscara

O xerife Billy Woods, do condado de Marion, no centro da Flórida, em imagem de 2018 - Gerardo Mora/Getty Images
O xerife Billy Woods, do condado de Marion, no centro da Flórida, em imagem de 2018 Imagem: Gerardo Mora/Getty Images

12/08/2020 20h25

Um xerife da Flórida ordenou que seus policiais não usem máscaras e proibiu seu uso dentro do gabinete, em um momento em que o estado no sudeste dos Estados Unidos registra números recordes de mortes por causa da pandemia do novo coronavírus.

O xerife Billy Woods, do condado de Marion, no centro da Flórida, proibiu o uso de máscaras por sua equipe através de um e-mail enviado na ontem, divulgado pelo jornal local Ocala Star Banner.

"Quando estiverem em serviço/trabalhando como meu funcionário e representando meu gabinete, não usem máscaras", diz o e-mail.

O xerife estabeleceu algumas exceções para policiais que trabalham em prisões, escolas, hospitais ou próximos a casos suspeitos de terem o vírus.

Acrescentou que, por causa da animosidade contra as forças policiais por causa dos protestos de conotação racial que ocorrem em todo o país, não permitirá que os que forem ao seu gabinete usem máscaras para que possam ser devidamente identificados.

A Flórida, estado onde o uso de máscara não é obrigatório, porém recomendado, é um dos principais focos da pandemia. Ontem, houve um recorde de 276 mortes, e, hoje, foram 212.

No total, 8.765 pessoas morreram e mais de 550.901 foram infectadas com coronavírus, em uma população de 21 milhões.

O xerife Woods escreveu no Facebook que ele e outros comissários de todo o país conversaram por telefone com o presidente americano, Donald Trump. Nesse post, dezenas de usuários comentaram sobre a proibição de usar máscaras com críticas a Woods.

"Uma coisa é não exigir o uso de máscaras, mas proibi-lo explicitamente? Isso é uma forma totalmente nova de estupidez", escreveu um usuário da rede social em comentário na postagem.

O escritório de Woods não respondeu aos questionamentos da AFP.

Coronavírus