PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Quase 200 mortos de coronavírus na Flórida entre críticas por reabertura da economia

24.jun.2020 - Homem faz teste da covid-19 em Miami Beach, na Flórida, nos Estados Unidos - CHANDAN KHANNA / AFP
24.jun.2020 - Homem faz teste da covid-19 em Miami Beach, na Flórida, nos Estados Unidos Imagem: CHANDAN KHANNA / AFP

30/09/2020 19h53

A Flórida registrou 175 mortes pelo novo coronavírus nesta quarta-feira (30), menos de uma semana depois que o governador republicano, Ron DeSantis, reabriu a economia do estado americano em uma decisão que, segundo seus detratores, tem motivação política.

O Departamento de Saúde registrou 1.948 novos casos da covid-19 e 175 mortes neste estado do sudeste americano, aumentando o total para 14.317.

Segundo a Universidade Johns Hopkins, quando a Flórida - com 21 milhões de habitantes - era um dos centros globais da pandemia entre julho e agosto, registrava um número diário de 100 a 200 vítimas, com um recorde de 276 em um dia.

Citando a redução de novos casos diários, que se estabilizou nos 3.000 frente aos 10.000 de dois meses atrás, o governador DeSantis reabriu a economia na última sexta-feira e removeu as restrições a bares e restaurantes, que agora podem operar em sua capacidade máxima.

Proibiu também os prefeitos de cobrarem as multas impostas aos que não usam máscaras ou violam outras regras de distanciamento social, decisão que surpreendeu funcionários e empresários.

"Todos têm o direito de trabalhar", disse o governador, aliado do presidente Donald Trump, que precisa vencer na Flórida para ser reeleito em 3 de novembro.

Epidemiologistas alertam que as consequências dessa reabertura serão vistas em algumas semanas, como aconteceu em julho.

"A porcentagem de pessoas com teste positivo agora é maior em Miami-Dade e Broward (Fort Lauderdale) do que era quando a economia reabriu no início do verão", explicou a epidemiologista Mary Jo Trepka, da Universidade Internacional da Florida à emissora CBS.

Na terça-feira, o prefeito do condado de Miami, Carlos Giménez, explicou aos jornalistas que continuará aplicando multas e esperará para cobrá-las até que o governador remova a proibição de fazê-lo.

"Não podemos cobrar as multas, mas podemos emiti-las", alertou Giménez, um republicano, lembrando que as medidas de saúde para combater a pandemia ainda devem ser respeitadas.

Por sua vez, o prefeito democrata de Miami Beach, Dan Gelber, acusou em um tweet publicado na sexta-feira DeSantis de colocar a vida de moradores da Flórida em risco, afirmando que a reabertura "parece uma decisão política".

Posteriormente, em carta ao governador, alertou: "Sua ordem só vai provocar a propagação agressiva da doença".

Coronavírus