PUBLICIDADE
Topo

Bolívia inicia jornada eleitoral após um ano sob a sombra de Evo Morales

18/10/2020 16h01

La Paz, 18 Out 2020 (AFP) - Quase um ano após a renúncia do presidente socialista Evo Morales, os bolivianos votam neste domingo (18) para escolher um novo presidente em meio a um clima polarizado, com a economia afetada pela pandemia e temores de outra convulsão social.

Pela primeira vez em duas décadas, o ex-presidente não está na disputa eleitoral, depois de deixar o cargo em 10 de novembro do último ano em meio a uma crise desencadeada por denúncias de fraude em uma eleição em que disputava o quarto mandato, além de perder o apoio dos militares.

Morales pediu que o resultado das eleições deste domingo "seja respeitado por todos".

"É muito importante que todas e todos os bolivianos, além dos partidos políticos, recebam com tranquilidade cada um dos votos, tanto nas cidades como nas áreas rurais, e que o resultado das eleições seja respeitado por todos", ressaltou o ex-presidente socialista em declaração lida diante da imprensa em Buenos Aires.

"A prioridade exclusivamente é a recuperação da democracia. Não caiamos em nenhum tipo de provocação", acrescentou.

Há um ano, o país enfrentou violentos confrontos nas ruas após o primeiro turno das eleições, em 20 de outubro de 2019.

"Não sei ao certo o que vai acontecer, tenho medo que o pior aconteça. Há comentários políticos que nos assustam", disse Virginia Luna, de 41 anos, no colégio eleitoral Agustín Aspiazu em La Paz, onde chegou muito cedo para votar.

Neste país - que possui 41% de população indígena - desde o amanhecer as pessoas faziam fila, sentadas e cumprindo o distanciamento física, como é o exemplo do município de Huarina, situado às margens do Lago Titikaka, a 70 km de La Paz.

Para os 7,3 milhões de eleitores, os centros eleitorais abriram às 08h local (12h00 GMT) e vão encerrar as atividades às 17h (2100 GMT), e estão sob guarda militar e policial, assim como cumprem medidas sanitárias adotadas para evitar a propagação do coronavírus.

Os primeiros resultados devem ser divulgados uma hora depois.

Sobre a decisão do Tribunal Supremo Eleitoral de suspender a contagem rápida de votos, Morales indicou que "felizmente o Movimento Ao Socialismo (MAS) tem seu próprio sistema de contagem eleitoral".

Inabilitado de votar, Morales destacou: "Nossos delegados em cada mesa farão o seguimento e registro de cada ata eleitoral. O povo também nos acompanhará nessa tarefa de compromisso com a democracia".

Os candidatos favoritos são o economista Luis Arce, do Movimento ao Socialismo de Morales (MAS), e o ex-presidente centrista Carlos Mesa (2003-2005), da Comunidade Ciudadana, segundo colocado nas eleições de 2019.

Responsável pelo "milagre" econômico de Morales (2006-2019), é muito provável que Arce vá ao segundo turno com Mesa em 29 de novembro.

Por causa da pandemia, a campanha foi realizada principalmente nas redes sociais, embora tenham ocorrido alguns confrontos isolados nas ruas entre militantes pró e anti-Evo.

"É o fim de um ciclo do governo de Evo Morales e da crise política. Espera-se começar um processo de fortalecimento das instituições", observou o cientista político Carlos Cordero, da Universidade Católica Boliviana, em comentário à AFP.

Arce garantiu neste domingo que seu partido, o Movimento pelo Socialismo (MAS), chegará ao poder na Bolívia por meios democráticos e não pelas armas, após criticar a suspensão da divulgação dos resultados preliminares pela Justiça Eleitoral.

"Não tomamos o poder com armas, tomamos o poder por essa via democrática", afirmou Arce, após votar em um colégio eleitoral na área central de La Paz.

O país andino vive a maior crise econômica em quase 40 anos, com previsão de retração de 6,2% do PIB em 2020.

As eleições também terminarão as atividades do governo de transição da presidente interina de direita, Jeanine Áñez, que deixou a corrida eleitoral após ser criticada por sua gestão da pandemia, com mais de 8.400 mortos e 130.000 casos.

val-pb/jac/fj/yow/dga/bn