PUBLICIDADE
Topo

Internacional

França presta homenagem nacional a professor decapitado

20.out.2020 - Parentes e amigos seguram uma foto do professor Samuel Paty em homenagem em Conflans-Sainte-Honorine; ele foi decapitado em um atentado que chocou a França - Bertrand Guay/AFP
20.out.2020 - Parentes e amigos seguram uma foto do professor Samuel Paty em homenagem em Conflans-Sainte-Honorine; ele foi decapitado em um atentado que chocou a França Imagem: Bertrand Guay/AFP

Em Paris

21/10/2020 06h20

A França organiza hoje na Universidade Sorbonne uma homenagem nacional a Samuel Paty, professor que foi decapitado na sexta-feira passada em um atentado que chocou o país e levou o governo a adotar medidas contra o islamismo radical.

Sete pessoas, incluindo dois menores de idade, comparecerão hoje a uma audiência com um juiz antiterrorista para o início do processo e eventuais acusações pelo assassinato brutal do professor de História e Geografia em plena rua de Conflans-Sainte-Honorine, ao noroeste de Paris.

Entre as sete pessoas está o pai de uma aluna que iniciou a mobilização contra o professor após uma aula sobre liberdade de expressão em 5 de outubro.

A homenagem acontecerá na presença do presidente Emmanuel Macron na célebre universidade parisiense, a partir das 17h30 (14h30 de Brasília).

O Estado entregará a Legião de Honra a título póstumo e o filho de 5 anos de Paty será declarado "pupilo da nação", uma distinção atribuída aos filhos cujos pais morreram em guerra ou atentados.

Dezesseis pessoas estavam em detenção provisória, incluindo cinco alunos, para tentar compreender como o criminoso encontrou e identificou o professor antes de decapitá-lo, perto da escola em Conflans-Saint-Honorine, na região de Paris.

No centro da investigação estão as mensagens trocadas por Whatsapp entre o autor do crime e o pai da aluna que havia divulgado vídeos com pedidos de vingança popular contra o professor.

Ele criticava o professor por ter exibido caricaturas de Maomé durante uma aula em 5 de outubro.

Poucos dias após a divulgação dos vídeos, Samuel Paty foi decapitado em plena rua por um refugiado de origem chechena de 18 anos, que foi morto em seguida por tiros da polícia.

A família do assassino também está sendo interrogada pela polícia, assim como o militante islamita Abdelhakim Sefrioui, que acompanhou o pai da aluna em sua mobilização nas redes sociais.

Hoje também comparecerão à audiência, assim como dois menores, suspeitos de terem recebido dinheiro do assassino em troca de informações sobre a vítima.

Internacional