PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Bolívia conclui lenta apuração que sela vitória de Luis Arce nas urnas

Luis Arce, candidato do MAS, partido do ex-presidente Evo Morales, comemora vitória na disputa para presidente da Bolívia em La Paz - Ueslei Marcelino/Reuters
Luis Arce, candidato do MAS, partido do ex-presidente Evo Morales, comemora vitória na disputa para presidente da Bolívia em La Paz Imagem: Ueslei Marcelino/Reuters

Em La Paz

23/10/2020 13h16

A Bolívia concluiu hoje a lenta contagem de votos da eleição de domingo passado, na qual o esquerdista Luis Arce venceu surpreendentemente no primeiro turno, com o dobro de votos de seu principal oponente, Carlos Mesa.

Após a contagem oficial de 100% dos votos, o apoiador do ex-presidente Evo Morales obteve 55,10% dos votos válidos, contra 28,83% do centrista Mesa. Em terceiro lugar, ficou o direitista Luis Fernando Camacho com 14,0%.

O resultado final coincide, com pequenas variações, com as projeções feitas na noite de domingo pelo canal de televisão Unitel e pela fundação católica Jubileo, sete horas após o fechamento da votação, que permitiram acabar com a incerteza pela falta de resultados preliminares oficiais.

As duas pesquisas previram uma vantagem de 22 pontos de Arce sobre Mesa, mas o resultado final foi muito maior: 26,27 pontos.

O TSE (Tribunal Supremo Eleitoral) apresentará os resultados hoje, às 18h locais (19h em Brasília), e proclamará a vitória de Arce. Isso marca o retorno ao poder do Movimento ao Socialismo (MAS), 11 meses após a queda de Morales em meio a protestos e denúncias de fraude eleitoral.

O presidente do TSE, Salvador Romero, adiantou que Arce e o novo Congresso - renovado na íntegra no domingo -, assumirão suas funções "no decorrer da primeira quinzena de novembro", mas não forneceu uma data exata.

Arce, de 57 anos, foi o arquiteto do "milagre econômico" do governo de Morales (2006-2019) como ministro das Finanças.

Ele conquistou o apoio em massa dos bolivianos, graças ao capital político de Morales e às esperanças de um retorno à prosperidade perdida, em meio a um país em colapso pelo coronavírus e pela crise econômica.

O TSE demorou cinco dias na contagem dos votos, algo que em outros países latino-americanos leva poucas horas. Desta vez, usou-se um processo manual, depois do cancelamento de última hora do sistema de contagem rápida digital em prol da confiabilidade dos dados.

Abalados com a surpreendente decisão das urnas não antecipada por nenhuma pesquisa, setores da direita saíram às ruas para protestar, denunciando uma suposta "fraude".

Missões de observação eleitoral internacionais afirmaram, porém, que o processo foi limpo e deu "legitimidade" ao novo governo de esquerda, que substituirá o da presidente interina de direita, Jeanine Áñez.

No domingo, 6.483.893 dos cidadãos habilitados foram às urnas, uma participação recorde de 88,42% dos 7,3 milhões de inscritos, segundo os dados finais do TSE.

UE parabeniza Arce

A União Europeia parabenizou, hoje, a vitória de Arce nas urnas e expressou seu desejo de começar a trabalhar em breve com as novas autoridades eleitas.

Uma nota assinada pelo alto comissário da UE para as Relações Exteriores, o espanhol Joseph Borrell, também elogiou a participação eleitoral em massa, apesar das restrições pela pandemia de coronavírus.

De acordo com Borrell, a UE "continua ao lado da Bolívia e espera poder trabalhar com as novas autoridades pela consolidação da prosperidade e da estabilidade no país, com espírito de reconciliação, unidade e inclusão".

Internacional