PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Rússia alcança 2 milhões de casos de covid-19 e bate novo recorde de mortos

Mulher usa máscara de proteção contra o coronavírus ao deixar estação de metrô em Moscou, na Rússia - Yuri Kadobnov/AFP
Mulher usa máscara de proteção contra o coronavírus ao deixar estação de metrô em Moscou, na Rússia Imagem: Yuri Kadobnov/AFP

19/11/2020 07h46

Moscou, 19 Nov 2020 (AFP) - A Rússia superou hoje os 2 milhões de pacientes com covid-19, registrando também dois novos recordes de infecções diárias e de mortes. Apesar desse quadro, as autoridades continuam a rejeitar um confinamento generalizado.

As autoridades sanitárias relataram 23.610 novas infecções e 463 novas mortes hoje, o que eleva o total para 2,02 milhões de casos detectados desde o início da pandemia no país, além de 34.850 óbitos.

O número de vítimas reflete uma mortalidade muito menor do que em outras partes do mundo, mas as autoridades contabilizam apenas as mortes que, após a necropsia, foram causadas principalmente pelo coronavírus.

Ontem, o presidente russo, Vladimir Putin, disse que a situação é "preocupante" e pediu às regiões russas, que são menos equipadas que Moscou para lidar com a pandemia, para não "dourar a situação" e não "fingir que está tudo bem".

Segundo ele, várias regiões enfrentam a escassez de medicamentos para pacientes com coronavírus, ou a falta de ambulâncias.

As autoridades já descartaram um novo confinamento nacional, para evitar uma nova desaceleração da economia russa, já enfraquecida por esta mesma medida adotada no início do ano e pelas sanções ocidentais.

Em outubro, Putin falou de medidas "seletivas e justificadas" que poderão ser tomadas, de forma independente, nas regiões russas.

De acordo com o Ministério da Saúde, 84% dos leitos destinados ao tratamento de pacientes com covid-19 estavam ocupados na segunda-feira.

A Rússia também conta a produção de suas próprias vacinas contra o coronavírus, incluindo a Sputnik V, elogiada por Vladimir Putin, mas que, até agora, despertou apenas a desconfiança internacional.

Coronavírus