PUBLICIDADE
Topo

Opositor russo Navalny denuncia 'paródia de justiça'

18/01/2021 10h14

Londres, 18 Jan 2021 (AFP) - O opositor russo Alexei Navalny se encontra perante um juiz, nesta segunda-feira (18), para audiência que decidirá sobre sua detenção, um dia depois de ser preso ao desembarcar em Moscou.

No Twitter, o advogado Vadim Kobzov publicou uma carta das forças de segurança, informando-lhe que o tribunal de Khimki, na periferia de Moscou, iria "examinar o pedido de detenção do cidadão Alexei Navalny", às 12h30 locais (6h30 no horário de Brasília).

A audiência acontece na delegacia de polícia onde está detido.

Navalny denunciou a "ilegalidade" do procedimento.

"Não entendo o que está acontecendo. Vi muitas paródias de justiça, mas esta é a ilegalidade mais completa", declarou ele em um vídeo transmitido no Twitter por sus porta-voz Kira Yarmysh.

O Ministério britânico das Relações Exteriores manifestou, nesta segunda-feira (18), sua "profunda preocupação" com a detenção do opositor russo, preso no domingo ao desembarcar em Moscou procedente da Alemanha.

"É assombroso que Alexei Navalny, vítima de um crime hediondo, seja detido pelas autoridades russas", tuitou o titular da pasta, Dominic Raab.

A Rússia deve investigar "o uso de uma arma química" em seu território, em vez de "perseguir Navalny", acrescentou o ministro, referindo-se ao envenenamento do opositor russo.

Raab também pediu sua "libertação imediata".

Mais cedo, o ministro alemão das Relações Exteriores, Heiko Maas, já havia se pronunciado nessa mesma direção.

Navalny "tomou a decisão consciente de voltar para a Rússia, que considera sua casa pessoal e política", e o fato de que tenha sido detido pelas autoridades russas logo ao chegar "é totalmente incompreensível", afirmou Maas.

Lembrando que a Rússia está vinculada por sua própria Constituição e por suas obrigações internacionais ao Estado de direito e à proteção dos direitos civis, o ministro acrescentou: "certamente, estes princípios também devem ser aplicados" a Navalny, que "deve ser libertado imediatamente".

Depois que o opositor, um carismático ativista anticorrupção e inimigo do Kremlin, foi vítima de "um grave ataque de envenenamento" em território russo, a Alemanha pede à Rússia que "investigue a fundo este ataque e leve os autores à Justiça", insistiu Maas.

Ainda nesta segunda, a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, também pediu sua "libertação imediata".

"Condeno a detenção de Alexei Navalny (...) em seu retorno à Rússia. As autoridades russas devem libertá-lo imediatamente e garantir sua segurança", exigiu a chefe do Poder Executivo europeu em breve nota oficial.

No domingo (17), o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, também reagiu à prisão de Alexei Navalny, detido ao retornar à Rússia pela primeira vez desde seu envenenamento no verão passado.

"Os Estados Unidos condenam veementemente a decisão da Rússia de prender Alexei Navalny", afirmou Pompeo em um comunicado.

"Notamos com grande preocupação que sua detenção é a última de uma série de tentativas de silenciar Navalny e outras figuras da oposição e vozes independentes que criticam as autoridades russas", completou.

Navalny foi detido no aeroporto de Sheremetyevo, em Moscou, menos de uma hora depois de chegar da Alemanha, onde estava se recuperando do envenenamento por uma substância neurotóxica que, segundo ele, foi encomendado pelo presidente Vladimir Putin.

Os EUA se uniram à União Europeia para condenar a medida, com Pompeo dizendo que "Navalny não é o problema. Exigimos sua libertação imediata e incondicional".

"Os líderes políticos confiantes não temem vozes concorrentes, nem cometem violência, nem detêm oponentes políticos injustamente", acrescentou.

- Sem acesso a advogadosDe acordo com o Fundo da Luta contra a Corrupção (FBK), a organização fundada por Navalny, ele está sem acesso a seus advogados desde sua detenção "ilegal" ontem.

"Está detido ilegalmente, impedem que seus advogados o vejam", afirmou o Fundo.

Dois advogados conseguiram entrar na delegacia de Khimki, onde Navalny está, mas não puderam se reunir com ele, disse sua porta-voz Kira Yarmysh.

"Não lhes permitem ver Alexei", tuitou a porta-voz.

"Não nos dão acesso a ele. Dizem que está dormindo", tuitou ontem o diretor jurídico do FBK, Viatcheslav Guimadi.

Em entrevista à Rádio Eco, de Moscou, uma de suas advogadas, Olga Mikhailova, afirmou que a polícia "viola a lei ao impedir a defesa" de se reunir com Navalny.

Navalny desembarcou ontem na capital russa, após passar cinco meses em tratamento na Alemanha, e foi detido ao chegar. Seu retorno foi tumultuado. Dezenas de seus seguidores que foram recebê-lo no aeroporto de Vnukovo foram detidos por policiais do Batalhão de Choque.

Além disso, no último minuto, o avião de Navalny, acompanhado por vários jornalistas, foi desviado para Sheremetievo.

Sua detenção e separação de sua mulher, Yulia, no controle de passaportes, aconteceu sob o olhar de inúmeras câmeras.

O FSIN, o serviço penitenciário russo, acusa-o de ter violado as medidas de controle judicial, ao viajar para o exterior para receber tratamento.

À noite, foi transferido do aeroporto de Sheremetievo para a delegacia de Khimki, um subúrbio de Moscou.