PUBLICIDADE
Topo

Avião da Argentina transporta vacinas russas Sputnik V para a Bolívia

27/01/2021 23h19

La Paz, 28 Jan 2021 (AFP) - A Bolívia receberá nesta quinta-feira seu primeiro lote de vacinas russas Sputnik V contra a covid-19 por meio de um avião de bandeira argentina que faz o transporte de Moscou a Buenos Aires, informou nesta quarta-feira (27) o governo do presidente Luis Arce.

O Ministério de Relações Exteriores disse em nota que "o primeiro lote de vacinas Sputnik V saiu da Rússia com destino a Buenos Aires e chegará ao nosso país nesta quinta-feira, 28 de janeiro".

De acordo com o relatório oficial, o Airbus 330-200 da Aerolíneas Argentinas decolou do aeroporto Sheremetyevo de Moscou e seguia em direção a Buenos Aires.

Uma aeronave da empresa estatal Boliviana de Aviación (BoA) fará o transporte final do carregamento da capital argentina até La Paz, diz o comunicado.

O presidente Arce disse em um tuíte que "há 20 mil doses que serão aplicadas inicialmente em nossos funcionários da saúde que estão na linha de frente". O Ministério da Saúde havia informado anteriormente que haveria 6.000 doses.

Os governos do boliviano Luis Arce e do argentino Alberto Fernández são aliados políticos próximos e La Paz reconheceu que Buenos Aires facilitou o acesso aos imunizantes russos.

O Ministério da Saúde da Bolívia informou separadamente que o primeiro lote é composto por 6 mil vacinas, destinadas a equipes médicas e grupos de risco. Outra porção muito maior chegará em março para uma campanha massiva.

O porta-voz do Executivo, Jorge Richter, antecipou que o presidente Arce será um dos primeiros a serem imunizados para incentivar a população a seguir seu exemplo.

A Bolívia fez um acordo no fim de dezembro para comprar 5,2 milhões de vacinas Sputnik. Em meados de janeiro, foi firmado outro acordo com o Serum Institute of India (SII) para a aquisição de mais 5 milhões de vacinas do laboratório britânico AstraZeneca e da Universidade de Oxford.

Além disso, o país terá acesso a um terceiro lote de 5 milhões de vacinas da AstraZeneca/Oxford através do mecanismo Covax, lançado pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

A Bolívia vive uma segunda onda da pandemia, que até hoje infectou 205,2 mil pessoas e deixou mais de 10,1 mil mortos entre sua população de 11,5 milhões de habitantes.

jac/dg/ic/mvv