PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
15 dias

Opositores ao golpe de Estado em Mianmar usam tinta vermelha para denunciar repressão

Foto mostra uma placa de protesto apelando à ONU sobre tinta spray vermelha como parte de uma manifestação contra o golpe militar em Mianmar - AFP/Fonte anônima
Foto mostra uma placa de protesto apelando à ONU sobre tinta spray vermelha como parte de uma manifestação contra o golpe militar em Mianmar Imagem: AFP/Fonte anônima

Em Yangon

14/04/2021 07h58

Opositores ao golpe de Estado em Mianmar jogaram tinta vermelha nas ruas hoje para denunciar a repressão violenta que provocou centenas de mortes entre os partidários do retorno à democracia.

Mianmar vive um cenário de caos desde a intervenção militar de 1º de fevereiro que derrubou o governo civil de Aung San Suu Kyi.

A repressão das novas autoridades militares é cada vez mais intensa. De acordo com o balanço da ONG AAPP (Associação de Assistência aos Presos Políticos), pelo menos 714 manifestantes morreram e quase 3.000 foram detidos.

Como na Tailândia, Camboja ou Laos, Mianmar celebra esta semana o Ano Novo budista e os opositores ao golpe querem aproveitar o momento festivo para organizar ações impactantes nas ruas.

Hoje eles jogaram tinta vermelha em pontos de ônibus e nas calçadas de várias cidades birmanesas, repetindo uma ação realizada há alguns dias.

"O objetivo desta 'greve sangrenta' é recordar nossos mártires, que morreram na luta pela democracia", declarou à AFP um opositor, que preferiu não revelar o nome por motivos de segurança.

"Esperamos a queda da ditadura" ou "Vamos acabar com a era do medo" eram algumas mensagens escritas nas ruas de Mandalay, segunda maior cidade do país, enquanto na capital econômica Yangon também foram pintadas frases de apelo às Nações Unidas: "Querida ONU, como está? Bem, espero. Em Mianmar. nós morremos".

A ONU admitiu ontem o temor de que Mianmar entre em um conflito generalizado como o da Síria e pediu aos Estados que tomem "medidas imediatas, decisivas e eficazes" para obrigar a junta militar a acabar com "a campanha de repressão e massacre da população".

Internacional