PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
1 mês

EUA têm maior queda de nascimentos desde 1979 e 6 anos seguidos de redução

Crescimento de nascimentos previsto para 2020 por causa da pandemia não se concretizou - Alexi Rosenfeld/Getty Images
Crescimento de nascimentos previsto para 2020 por causa da pandemia não se concretizou Imagem: Alexi Rosenfeld/Getty Images

05/05/2021 19h14

O "baby boom" previsto para 2020 nos Estados Unidos não se materializou, e os nascimentos caíram em 4% em comparação com o ano anterior, apesar das restrições e confinamentos impostos pela pandemia de covid-19, informou um relatório oficial hoje.

Cerca de 3,6 milhões de bebês nasceram no país no ano passado, de acordo com o Centro Nacional de Estatísticas de Saúde (NCHS). Foi o sexto ano consecutivo em que o número de nascimentos caiu, após um aumento em 2014. É a menor quantidade de nascimentos desde 1979.

A taxa de fecundidade total provisória foi de 1.637,5 nascimentos a cada 1.000 mulheres, o que equivale a 1,6 filho por mulher, bem abaixo do marco de 2,1 necessário para garantir que cada geração seja renovada.

Os nascimentos diminuíram em cada grupo racial, mas caíram de forma mais acentuada entre os americanos de origem asiática, uma redução de 8% em relação ao ano anterior, seguidos pelos nativos americanos, nos quais a queda foi de 6%.

No caso das mulheres brancas e negras, as quedas foram de 4%, enquanto entre as hispânicas o declínio foi de 3%.

Os nascimentos também diminuíram em todas as faixas etárias. Isso incluiu, em particular, uma diminuição de 2% entre as mulheres de 40 a 44 anos, um grupo demográfico que havia vivido um aumento quase contínuo de nascimentos de 1985 a 2019.

Internacional