PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
1 mês

Trump acusa Biden de 'fraqueza' e 'falta de apoio a Israel' após bombardeios

O ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump criticou Biden por "fraqueza" e "falta de apoio" a Israel - Brendan Smialowski/AFP
O ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump criticou Biden por 'fraqueza' e 'falta de apoio' a Israel Imagem: Brendan Smialowski/AFP

Da AFP, em Washington

11/05/2021 19h31Atualizada em 12/05/2021 07h17

O ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, adotou nesta terça-feira (11) uma postura sólida a favor de Israel em meio a uma escalada de violência no Oriente Médio, acusando seu sucessor, Joe Biden, de "fraqueza" e "falta de apoio" ao Estado hebreu.

"Com Biden, o mundo está se tornando mais violento e instável porque a fraqueza de Biden e a falta de apoio a Israel está provocando novos ataques contra nossos aliados", disse o ex-presidente republicano em um comunicado.

Trump elogiou seu mandato como "a Presidência da Paz" e disse que enquanto ele esteve na Casa Branca, os adversários de Israel sabiam que "haveria uma rápida represália se Israel fosse atacado".

"Os Estados Unidos sempre devem apoiar Israel e deixar claro que os palestinos devem pôr fim à violência, ao terrorismo e aos ataques com foguetes, e deixar claro que os Estados Unidos sempre apoiarão firmemente o direito de Israel de se defender", afirmou.

Militantes palestinos do movimento islamita Hamas lançaram nesta terça-feira uma chuva de foguetes contra o centro econômico de Israel, Tel Aviv, em represália por um ataque israelense que destruiu um prédio de doze andares no centro da cidade de Gaza.

A forte escalada, desencadeada por distúrbios em Jerusalém, matou pelo menos 30 palestinos na Faixa de Gaza bloqueada por Israel, assim como três israelenses, e feriu outras centenas.

Nesta terça, o governo Biden pediu calma e moderação tanto a Israel quanto aos palestinos.

"Israel tem o direito de se defender. Ao mesmo tempo, os informes de mortes de civis são algo que lamentamos e que gostaríamos que cessasse", disse à imprensa o porta-voz do Departamento de Estado, Ned Price.

Internacional