PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
6 meses

Influenciadores recebem propostas misteriosas para desacreditar vacina da Pfizer

25/05/2021 20h37

Paris, 25 Mai 2021 (AFP) - Vários influenciadores franceses denunciaram que foram contatados por uma agência de comunicação misteriosa para propor, mediante pagamento, que desacreditassem a vacina Pfizer/BioNTech contra a covid-19, uma iniciativa que o ministro da Saúde da França, Olivier Véran, descreveu nesta terça-feira (25) como "miserável" e "irresponsável".

"Não sei de onde vem, não sei se vem da França ou do exterior", disse Véran à rede de televisão BFMTV. "É miserável, perigoso, irresponsável e não funciona", disse ele antes de acrescentar que esta ação não fará os "franceses virarem as costas à vacinação".

Vários influenciadores, que têm mais de um milhão e meio de assinantes no YouTube, garantiram na segunda-feira que foram contatados para criticar a vacina da Pfizer nas redes sociais e que seriam pagos para isso.

Atuantes na área de saúde e ciência, esses influenciadores explicaram que receberam um e-mail de uma agência de comunicação supostamente sediada no Reino Unido, oferecendo-lhes uma "parceria", e que atuava em nome de um cliente com um "colossal orçamento", mas que desejava manter o anonimato.

"É estranho. Recebi uma proposta de parceria que consiste em destruir em vídeo a vacina da Pfizer", tuitou Leo Grasset, um entusiasta da ciência que tem 1,17 milhão de assinantes em seu canal no YouTube.

"Incrível. O endereço da agência de Londres que me contatou é falso. Nunca existiu instalações lá, é um centro de laser estético! Todos os funcionários têm perfis suspeitos no LinkedIn ... que desapareceram desde esta manhã. Todo mundo já trabalhou antes na Rússia", disse ele.

Outros descreveram a mesma situação.

O ministro, quando questionado sobre a possibilidade de essa proposta vir da Rússia, não quis comentar. "Não sei, não me permitiria misturar hipóteses", respondeu ele.

A vacina Pfizer ganhou notoriedade após os problemas de sua concorrente sueco-britânica AstraZeneca, cuja reputação foi manchada por alguns casos raros de coágulos sanguíneos e atrasos persistentes nas entregas.

Nesta terça-feira, um youtuber alemão ativo no mesmo setor, Mirko Drotschmann, com cerca de 1,5 milhão de assinantes, explicou que havia recebido uma proposta semelhante. "Posso confirmar que é da mesma agência. Fiquei surpreso com o pedido", disse.

burs-cf/fz/af/mas/jc

PFIZER

GOOGLE

ASTRAZENECA

LINKEDIN CORPORATION

BioNTech