PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

Promotoria francesa pede cinco anos de prisão para ex-líder separatista basco

16/06/2021 15h39

Paris, 16 Jun 2021 (AFP) - O Ministério Público francês pediu cinco anos de prisão nesta quarta-feira (16) para o líder da organização separatista armada basca Josu Ternera, julgado em Paris por "associação criminosa terrorista".

A pena de prisão de oito anos, anunciada em 2017, num primeiro julgamento realizado na ausência de Ternera, então foragido, parece agora "excessiva", destacou o Ministério Público em suas alegações.

No entanto, "o acusado continua a ter uma posição ambígua, apresentando desculpas ao mesmo tempo em que é quase impossível reconhecer que os atos cometidos pela ETA são atos terroristas", acrescentou.

Por isso, alterou seu pedido inicial para uma pena de cinco anos, mesmo que com o adiamento da entrada na prisão, o registro de Vitela num dossiê de autores de crimes terroristas e a proibição de pisar em solo francês depois de cumprir a pena.

No segundo dia de seu julgamento em Paris, Ternera disse lamentar as "perdas irreversíveis" de "ambos os lados".

"Acredito que o fim da luta armada", anunciado em 2011, "veio tarde demais", declarou Josu Antonio Urrutikoetxea Bengoetxea, seu nome de registro, perante o tribunal de Paris.

Como foi julgado à revelia, Ternera, de 70 anos, conseguiu solicitar a repetição do processo com a sua participação.

Ternera indicou que o fim da violência poderia ter ocorrido em 2005, durante negociações entre o governo espanhol e a organização separatista, que manteve uma trégua entre 2004 e 2006.

No primeiro dia do julgamento, ele afirmou ter cortado relações com a organização em setembro de 2006 e ter sido chamado por ela apenas para participar das frustradas negociações de paz em Oslo entre 2011 e 2013.

Criado em 1959 sob a ditadura de Francisco Franco, a extinta ETA é acusada de ter matado pelo menos 853 pessoas durante quatro décadas de luta armada pela independência das regiões do País Basco e de Navarra.

Josu Ternera ingressou na ETA no final da década de 1960 e foi durante quatro décadas um dos seus principais líderes, primeiro promotor da estratégia de ataques mortais e depois das negociações de paz com o Estado espanhol.

Após sua prisão em maio de 2019, a Espanha pediu sua extradição.

No final de 2020, a justiça francesa aceitou sua deportação, mas isso não acontecerá até que Ternera seja julgado neste processo e em outro adiado de fevereiro para setembro.

mep/ito/ide/fio/dbh-jz/mb/gf/mvv